Retrospectiva 2017 – Tudo o que rolou na moda Plus Size

O ano de 2017 foi sim de evolução, mesmo que lenta, no mercado da moda Plus Size. Algumas marcas, mesmo pequenas, se ligaram mais em tendências e nos clamores das It gordas, mas ainda há um longo caminho pela frente. Ainda vemos muitas lojas que se dizem Plus Size, mas fabricam peças até o 52/54, quando há uma grande demanda de tamanhos maiores. É preciso muito mais, mas nessa retrospectiva falarei sobre as novidades boas e o que bombou na moda para gordas.

Marcas que deram uma nova cara para a moda plus size

O mercado Plus Size sofreu muito pouco os efeitos da crise econômica e o setor cresce a cada ano no Brasil. Foi-se o tempo em que ser gorda era sinônimo de se vestir como pinup ou com aquelas roupas que mais pareciam cortina de casa antiga. Todo ano despontam novas marcas, dos mais variados estilos e locais no país. Destaco aqui três marcas que foram lançadas em 2017 e já são um sucesso:

Alt

A marca, criada pela blogueira Débora Fomin, foi lançada em junho e tem uma pegada slow fashion. Todas as peças são de design autoral, além de terem estampas diferenciadas às que costumamos ver por aí e não há reposição de peças. A Alt atende do manequim 48 ao 60, possui e-commerce e está presente também em feiras alternativas de moda – regular ou plus size.

alt-brand(1)

Carol Zacarias

Carol é uma modelo cearense que cansou do mais do mesmo que assolava o mercado plus size, e resolveu inovar. Em fevereiro, lançou fantasias de carnaval em tamanhos maiores e não parou mais. Com uma pegada tropical (babados, estampas e cortes bem característicos), a marca participa de eventos em Fortaleza, no Rio e em São Paulo, além de vender pela página no Instagram.

carol zacarias copy

Delphina Designs

Criada pela estilista Renata Amaral, a Delphina chegou com uma proposta romântica, mas que está super ligada nas tendências de moda. Com seus croppeds “de nozinho” e saias evasês em comprimento midi, a Delphina participa de eventos e feiras, vende também no seu e-commerce e é sucesso entre fashionistas, mas também entre mulheres que procuram roupas mais “sérias”. Agrada a todas!

delphina

O crescimento dos bazares e eventos dedicados à moda Plus Size

Sabemos que a maioria das marcas que investem e inovam para que a moda seja realmente mais inclusiva não dispõe de grana para bancar aluguel de loja ou uma grande equipe de vendedores. Em compensação, 2017 foi o ano em que rolaram vários eventos. O maior e mais tradicional deles, Pop Plus (que rola quatro vezes por ano em São Paulo) completou 5 anos e teve um público de mais de doze mil pessoas!

Aqui no Rio, tivemos a consolidação do Hashtag Bazar como o principal evento de moda plus size carioca. A feira, que acontece mensalmente, alterna sua locação entre os bairros da Tijuca, Flamengo e Cachambi. Além disso, temos também o Bazar Tijucano, que recebe diversas marcas de roupas plus size.

Algumas marcas queridinhas do público carioca também abriram suas portas em espaços para receber melhor clientes gordas. Foi o caso da GG.rie, no Centro da Cidade; da Amaryllis Moda e Acessórios, no Grajaú; e da NaBeca Tamanhos reais. A Clamarroca Plus, de São Paulo, também abriu uma loja irada que vende, além dos famosos jeans, peças de outras marcas que vestem acima do manequim 46.

O que eu espero da moda Plus Size para 2018

Eu gostaria de que as lojas – principalmente as grandes varejistas – poderiam, ao invés de criar coleções plus size, estender as grades de suas coleções. Preciso relatar minha frustração ao experimentar um maiô em tamanho GG da coleção 4 mares para C&A, e ele não passar nem pelo meu joelho. Foi a gota d’água, principalmente por saber que em algumas lojas de departamento o GG ainda me serve. Não passar nem no joelho é um absurdo, e ver uma mulher com a estrutura corporal da Ana vestir G, como lemos nesse post, é inadmissível.

c&a

A C&A, além de acabar com aquela “arara única” que chamava de coleção plus size, tirou a maioria das peças tamanho GG das araras, e, aparentemente diminuiu bem os tamanhos. É uma loja que tem muito potencial, com algumas roupas bem bacanas, mas que precisa rever seus tamanhos e modelagens com certa urgência.

Já a Renner teve um início de ano promissor. Fincou a Ashua, marca de tamanhos maiores no mercado, mostrou que estava realmente buscando atender às demandas de tendências da moda para gordas, mas, no segundo semestre, decepcionou e lançou uma coleção de verão repleta de mangas, calças compridas e jaquetas! Além disso, enquanto a Renner faz a gente babar com as peças de moda praia, a Ashua não lançou nem um biquinizinho para as gordas, poxa!

A Forever 21 finalmente trouxe sua linha plus size para o Rio de Janeiro! Veio farta, mas sinto falta de reposição. No primeiro fim de semana eram cerca de 12 araras, e agora tem só o que “encalhou”, no máximo umas 5 araras. Além disso, custa trazer aqueles biquínis maravilhosos que vemos no site da marca?

Mais do que nunca, espero que marcas que atendam tamanhos maiores coloquem modelos maiores para que todas as mulheres tenham noção de como as roupas ficam no corpo. 2018 tá batendo na porta, Photoshop para “suavizar” celulites e tirar dobrinhas não deveria mais ter espaço nos catálogos ou lookbooks, né?

O balanço do ano é positivo, enfim. A moda plus size vem ocupando espaços que antes eram restritos às magras, como Fluvia Lacerda desfilando para o estilista Ronaldo Fraga no São Paulo Fashion Week, além de Alexandre Herchcovitch lançando uma coleção até o tamanho 54 para a marca Elegance All Curves. Que 2018 seja ainda mais próspero, que os grandes investidores olhem para essa galera que tá empreendendo e botando a cara e o corpo em nome de uma moda mais inclusiva.

Feliz ano novo, pessoal!

mari-rodrigues-hoje-vou-assim-offMariana Rodrigues
Carioca, 30 anos, gorda. Tagarela de carteirinha, fã de chá gelado e viciada em bons debates na internet. Apaixonada por moda e televisão, escreve sobre esses e outros assuntos também em seu blog aquelamari.com
Compartilhe nas redes sociais
pinterest: pinterest
tumblr:
google plus:

Como conhecer e entender seu corpo é primordial na hora de comprar roupas

Volta e meia eu, Mari, recebo comentários e mensagens falando sobre meu estilo e sobre como as roupas que eu uso “caem super bem” em mim – e não necessariamente isso quer dizer que elas parecem me deixar mais magra. Desde que eu comecei a me interessar mais por moda – ler e estudar mais sobre -, criei o compromisso de observar bem meu corpo e minha personalidade, para que eu parasse de fazer compras desnecessárias e entendesse

É quase um fato: mesmo em marcas de tamanhos plus size, sempre preciso levar as peças que compro para fazer algumas modificações. Explico: sou uma gorda com o quadril bem mais largo que a cintura, que por sua vez é bem “desproporcional” ao meu busto – e pra aumentar o tamanho da confusão, sou baixinha. Então já visto saias e shorts do meu tamanho sabendo que precisarei mexer na bainha (já que amo tudo bem curtinho) e fazer uma pence pra ajustar na cintura, e quando se trata de vestidos ou macacões/macaquinhos, é preciso sempre mexer nas alças e no tamanho do busto.

Durante muito tempo, comprar roupas eram um martírio e eu odiava ter que fazer modificações, então eram bem comum eu sair pela rua com as alças caindo, a calcinha aparecendo na cintura. Fora quando eu comprava para determinada ocasião e o prazo vinha sempre “em cima do laço”, daí não dava tempo de fazer as modificações e eu usava a roupa toda tronxa.

mari-conheca-corpo-estilo

Não faz muito tempo que eu entendi isso. Há uns dois meses, comprei um macaquinho e a loja disponibilizava uma pessoa para fazer os ajustes necessários. O rapaz marcou o que eu pedi, e perguntou algumas vezes se não ficaria curto demais ou mesmo apertado. Eu lembro que respondi “confia em mim”. No dia em que fui buscar a peça, vesti em seguida para provar e o pessoal da marca ficou encantado, dizendo que vestiu muito bem. Quando eu externei, percebi que é disso que se trata o que passei a chamar de “maturidade de estilo”: você conhece o seu corpo suficientemente bem, sabe o tipo de peça que te deixa confortável para cada ocasião e comprar roupa ou se vestir acaba não sendo um martírio – eu, por exemplo, não procuro mais roupas para mim em shopping, pois sei que é certeza de frustração.

O que me ajudou nesse processo de autoconhecimento?

Tirar fotos dos meus looks

Essa é sempre a primeira dica que eu dou. Se olhar no espelho com vontade e com carinho ajuda muito a criar uma intimidade e uma relação de amor com seu corpo, além de conhecê-lo melhor. Além do conforto, é bom “treinar a visão” para sacar o que você acha que fica bonito. O ideal é que faça isso toda vez que se arrumar para sair. Se não tiver ninguém para tirar foto pra você, tira no espelho mesmo!

mari-espelho-estilo

Observar os cortes, cores e tecidos e estampas que mais curto

Após alguns dias de fotos de looks já dá pra tentar traçar um perfil. Quais são as cores que imperam no seu armário? E os cortes? Por aqui, vi que vestidos com cintura marcada, shorts jeans curtinhos, camisetas 100% algodão e blusas de alcinha são grande parte. Não tenho nenhuma peça com mangas que não seja 100% algodão. Também percebi a ausência daqueles tecidos tipo poliéster, sintéticos. Sinto muito calor e suo muito usando roupas com esse tecido! Além disso, 99,9% das minhas peças estampadas são florais. São “detalhes” que te ajudam na hora de escolher uma nova roupa e evitam que você leve algo por puro impulso.

Me perguntar por que eu curto aquilo tudo

O ideal é que sua resposta não tenha nada a ver com as técnicas que te fazem parecer mais magra, mais alta, ou que visam disfarçar algo em você. Eu, por exemplo, curto as roupas que me deixam mais confortável e mais fresca, pois sou mega calorenta! Além disso, gosto da liberdade de poder sentar com as pernas abertas, então tenho muito mais shorts curtinhos, jardineiras e vestidos longos, que me permitem ter mais comodidade na hora de sentar. Acho meus ombros lindos, daí o excesso de blusinhas no corte ombro a ombro e também de alcinhas.

Também foi muito útil me olhar com frequência no espelho – nua ou vestida -, além de ler e seguir mulheres com o corpo parecido com o meu nas redes sociais, saber onde elas compram, o que buscam quando vão comprar roupas novas.

mari-jardineira-jeans

Com a prática, uma espécie de instinto vai sendo criado em você, para que pare de perder tempo com o que não faz seu estilo ou que saiba se uma tendência te agrada ou não. Moda é forma de expressão, fala muito sobre a sua personalidade. Vale a pena olhar pra dentro de você e buscar o que há de melhor. A partir disso, a pesquisa por roupas vai ser menos dolorosa, aposto.

mari-rodrigues-hoje-vou-assim-offMariana Rodrigues
Carioca, 30 anos, gorda. Tagarela de carteirinha, fã de chá gelado e viciada em bons debates na internet. Apaixonada por moda e televisão, escreve sobre esses e outros assuntos também em seu blog aquelamari.com
Compartilhe nas redes sociais
pinterest: pinterest
tumblr:
google plus:

Onde compro meus vestidos Plus Size

Não sei se já contei por aqui, mas eu, Mari, sou a louca dos vestidos. É uma das minhas peças favoritas, acho fácil e prático – ao contrário do que a Ana acha e escreveu nesse post aqui. E não é só uma questão de praticidade, me sinto mais confortável com vestidos e acho que eles dão um ar mais romântico aos meus looks, justamente por grande parte dos meus ser aquele modelo mais justinho na cintura.

Sou tão conhecida pelos vestidos acinturados que todas as vezes que meus amigos vêem algum modelinho diferente, lembram de mim. Estampados, lisos, de malha ou tecido plano, muitos vestidos são também versáteis. Combinam com ocasiões variadas de acordo com os acessórios que eu uso, e podem ser usados em dias quentes ou mesmo no inverno, se combinarmos com uma jaquetinha.

posthaus

Posthaus

A Posthaus é minha loja preferida para comprar vestidos. Visto tamanho 54, e geralmente vou na seção regular (Moda Feminina) e busco os modelos que vão até o tamanho XXG. Geralmente preciso fazer um ajuste na parte do busto, porque sou menor, mas nunca precisei devolver nenhum porque ficou pequeno! Sem contar que a Posthaus faz muitas promoções boas, todos os vestidos que tenho de lá custaram menos de cem reais e, além lindos, tem bom corte e são feitos com material resistente.

Kisielevski

A Kely é uma mulher de Florianópolis, empreendedora que que faz vestidos para todos os corpos. Lisos ou com estampas super fofas, os vestidos da Kisielesvski fazem o maior sucesso quando aparecem no meu Instagram. Alguns modelos ainda tem abertura em botões na altura dos seios, perfeitos para mulheres que estão amamentando e não querem perder o estilo!

kisielevski

NaBeca Tamanhos Reais

Já falei da NaBeca aqui algumas vezes! Os vestidos moderninhos são uma novidade na marca. Eu comprei um no inverno, na onda do veludo, e agora no verão ela veio com estampas e cores mais abertas, além de tecidos fresquinhos e cortes que agradam jovens e também mulheres mais velhas.

nabeca

FARM

Polêmicas à parte, as estampas da FARM são maravilhosas e os vestidos tem cortes lindíssimos – já mostrei alguns nesse post aqui. Infelizmente eles ainda não fazem tamanhos Plus Size – sigo esperando que aumentem a grade -, mas alguns modelos da grade regular vestem sim mulheres gordas. Tenho sete vestidos da marca, inclusive um deles é tamanho P, podem acreditar, haha.

farm(1)

Não comprei, mas quero:

Forever 21

A linha Plus Size da varejista gringa finalmente deu as caras em terras cariocas? No último dia 27 chegou a coleção Forever+, que tem tamanhos do GG ao G5 (equivalente ao 54/56), e, no meio das doze araras dedicadas aos tamanhos maiores (!!!) encontrei vestidos diversos, dos mais clássicos aos antenados nas tendências, como o floral com fundo escuro!

forever 21

Naiah

A Naiah, que foi lançada com uma pegada de vestidos de festas voltou completamente repaginada. Com um estilo mais dia-a-dia, os vestidos da nova coleção ganharam meu coração, e eu pude ver de perto que os cortes e estampas são completamente diferentes do que costumamos ver na moda Plus Size por aí, sem falar no material excelente. Não deixa nada a desejar para a moda regular no quesito modernidade.

Alguém mais aí é louca por vestidos, principalmente nos dias de preguiça? E vocês, conhecem mais alguma loja com bons vestidos Plus Size?

mari-rodrigues-hoje-vou-assim-offMariana Rodrigues
Carioca, 30 anos, gorda. Tagarela de carteirinha, fã de chá gelado e viciada em bons debates na internet. Apaixonada por moda e televisão, escreve sobre esses e outros assuntos também em seu blog aquelamari.com
Compartilhe nas redes sociais
pinterest: pinterest
tumblr:
google plus:

Marcas diferentonas de moda praia

Há um tempinho eu, Ana, escrevi esse post sobre estar em busca de um estilo em moda praia que se aproxime do que busco pra mim no dia a dia: mais gráfico, com modelos mais inusitados ou com recortes estratégicos, poucas estampas e cores tropicais, com mais cores lisas e cortes mais retos.

Minha preferência vai ser sempre por marcas menores, de mulheres empreendedoras, por isso finalmente concluimos a pesquisa para indicar pra vocês algumas marcas que vão por esse caminho mais alternativo, incluindo as que vestem tamanhos maiores. A pesquisa foi feita em parceria com a Mari Rodrigues, colaboradora do blog.

Algumas não são exatamente uma pechincha, mas consideremos que trabalham com escala menor ou que podemos também aguardar e ficar de olho em liquidações. Cliquem no nome das marcas para acessar os sites/instas!

Chapéu Beachwear

Marca paulistana que surgiu em 2009 e foi uma das primeiras a trazer um estilo mais minimalista às suas criações, com boas opções de maiôs e biquinis. Vestem do tamanho P ao GG, vendem online e tem uma loja física em SP.

I A R A

Algumas famosas já usaram seus maiôs, que trazem sempre algum toque de sensualidade mas sem serem óbvios. Li numa matéria do ano passado que custavam até R$200, mas não sondei para saber se atualizaram os preços. Vendem somente pelo e-mail [email protected]

Verse

A marca tem pouco tempo – surgiu em 2016 – mas já traz um conceito de slow fashion com cuidado em todo o processo de produção, e um diferencial para inspirar mais calma, autoconhecimento e conexão entre as pessoas: todas as peças vem com o nome de quem costurou, bordado.

verse-2-bordado

verse

Bambina Beachwear

Com maiôs diferentões e estampas modernas, a marca curtitibana surgiu há um ano e conquistou os nossos corações.  Além dos maiôs, a Bambina também trabalha com biquínis e sukinis, além de estar sempre antenada nas tendências e no conforto. A marca tem uma pegada mais fashionista e o foco do público parece ser mais jovem.

bambina copy

Kaone Moda Praia

Kaone é a marca das gordas mais ousadas! Com propostas polêmicas na moda praia plus size – como a calcinha de lacinhos na lateral e o top cortininha -, a marca também é especialista em trazer o que há de mais moderno e sofisticado para tamanhos maiores.  A Kaone conta também com uma coleção de bodies em parceria com a top model Plus Size Fluvia Lacerda.

kaone_moda_praia_plus_size_01

Cor de Jambo

É uma marca mais tradicional, aposta nas hot pants, mas nem por isso deixa de quebrar seus paradigmas! O carro chefe da marca é apenas uma hot pants no estilo “engana mamãe”, que, apesar da cintura alta, conta com um belíssimo fio dental na parte de trás!

cordejambo

PHD Galeria

Com o conceito de se vestir uma galeria de arte, criam suportes de vestir e oferecem para artistas contemporâneos aplicarem seus trabalhos, pensando que a sua arte não será mais estática e ganhará as ruas pelos corpos e pelas interpretações dos usuários. Com preocupação ambiental e tamanhos que vão do PP ao GG, a PHD vende online pelo site e instagram e na sua loja física, na Galeria Metrópole (Av. São Luiz, 187 2˚ andar lj 25 – SP/SP)

phd-galeria-moda-praia

Thaissa Becho

Marca carioca hype entre os descolados, já fez parcerias com grifes como Cantão e Farm. Com modelos que remetem ao estilo asa delta dos anos 80, ultra cavados, a coleção de verão trará cores fortes em neon, ainda mantendo o famoso arco íris, só que agora em opçã0 de biquinis.

thaissa-becho

Pipa

Também carioca, apresenta modelos com cores lisas, recortes estratégicos, cavas laterais e um dos melhores preços dessa listagem.

Masssala Beachwear

Marca que valoriza elementos arquitetônicos, cortes retos e várias amarrações para criar diferentes modelos numa mesma peça

IMG_8802

Quer indicar mais alguma que não apareceu na listagem? Pode falar que atualizaremos o post com as dicas! 🙂

Compartilhe nas redes sociais
pinterest: pinterest
tumblr:
google plus: