O projeto de reciclagem têxtil da C&A

Lembro que fui a um evento de uma marca de lingerie no ano passado e questionei a empresa se tinham alguma política de reciclagem têxtil, já que apresentavam tantas novas demandas de sutiãs e calcinhas desenvolvidas especialmente para diversos propósitos – e de vários que não concordo, como aquelas que servem pra nos deixar mais nóiadas ainda escondendo barriga, levantando peito, enfim.

A devolutiva foi frustrante: nunca pararam pra pensar nisso.

No episódio #2 do meu podcast Moda Pé no Chão  (aliás, já ouviu?) falamos justamente que aqui no Brasil não temos efetivamente uma política de reciclagem têxtil, já que roupa também é feita de matéria prima sintética, o que inviabiliza o seu descarte nos lixões comuns.

Aí foi com uma ponta de esperança que li que a C&A tem um projeto de reciclagem de têxteis, o Movimento ReCiclo, que já tá rolando tem um tempinho mas eu ainda não tinha dado a atenção devida.

banner-movimento-reciclo

Acho importantíssimo termos essa iniciativa para inspirar tantas outras e trazer também essa consciência para o público em geral sobre a cadeia de processos na moda, já que dos 80% de resíduos têxteis que poderiam ser reciclados, apenas 1% passa por esse processo, segundo dados do Fashion Revolution Brasil.

Muito dessa visão acredito que venha dessa origem gringa da empresa (a rede é holandesa), o que contribui para que eles consigam dar conta de alguns processos, apesar de ainda questionar essa iniciativa vinda de uma fast fashion, que se trata justamente de moda efêmera e grandes quantidades.

rec-textil-fash

No seu site de programas de sustentabilidade eles disponibilizam um pdf com os pontos de coleta em diversas cidades pra doar roupas, toalhas e roupas de cama que você não usa mais.

Peças que serão aceitas no programa:

  • Roupas em bom estado e higienizadas, sendo elas: blusas, camisas, camisetas, casacos, coletes, jaquetas, calças, shorts, bermudas, saias, meias, bonés, cachecol, canga, sunga, biquíni, maiô, lenços.
  • Acessórios de cama e mesa como lençol, fronha, edredom, cobertores, colchas, toalha de mesa, roupas de lã e crochê.
  • Roupas rasgadas e retalhos também são bem vindas

Entre os que não aceitarão estão acessórios, peças de origem animal e lingerie.

As roupas não serão de propriedade da empresa, que fará o encaminhamento devido a dois tipos de instituição:

  • Associação Cristã de Osasco – instituição social que atua em benefício de comunidades carentes
  • RETALHAR Soluções e Gestão de Resíduos Têxteis – empresa recicladora têxtil que irá desfibrar e encaminhar o material para reaproveitamento na indústria.

Já estou separando várias roupas e roupas de cama que não estavam em bom estado para doar para encaminhar às lojas do programa. Alguém conhece outras iniciativas que também recebem peças do público em geral?

Compartilhe nas redes sociais
pinterest: pinterest
tumblr:
google plus:

Comente pelo Facebook

Comentários pelo blog

5 comentários

  1. Marcella Abate comentou:

    Projeto Retalhar é maravilhoso, tive uma aula com eles na Especialização e amei! Os bazares de troca geralmente pegam peças para doação e tambem Casas Andre Luis, Unibes, Exercito da Salvação, ne? Adorei a novidade, eu nao sabia 🙂

  2. Anna comentou:

    ana, que ótimo saber do movimento reciclo! já sei onde vou deixar minha próxima bolsinha de doações.

  3. Juduba comentou:

    Nunca tinha pensado nisso, parabéns pelo post, pelas pesquisas que vc fez para postar! Muito legal essa preocupação. É algo a mais para pensar! Vc arrasa!
    Beijinhos!

  4. Talita Pires Paiva comentou:

    Oi Ana! Primeiro, feliz aniversário =)
    Segundo, temos uma fábrica de roupas infantis em Uberlândia-MG e aqui, como trabalhamos com tecidos e malhas de algodão, os retalhos são todos encaminhados para pessoas que fazem tapetes. Tudo é reaproveitado! claro que temos outros tipos de resíduos, mas são lixo comum. Acho interessante projetos como o da C&A, que não apenas reaproveitam as peças prontas, mas que geram o menor volume de lixo possível.

  5. Márcia comentou:

    Ana, caberia tbem doação pra população de rua. Sempre dou as minhas e acho que vem antes de reciclar.
    Primeiro alguém vai usar muuuito, depois recicla.