O que te deixa frustrada?: repetição e tudo jovem demais

Eu li todas, todas as respostas do post que lancei a pergunta do o que te deixa frustrada, e preciso dizer o quanto vocês foram maravilhosas! Obrigada por contribuírem trocando bola e dando ideias aqui pro blog, que eu vou comentar aos poucos, em uma série de postagens. 🙂

Muitas ali descreveram a mesma situação: como tudo está parecendo repetitivo nas lojas, aquela sensação de dejavú, de inspired do inspired, do inspired, e isso tem sido chato e limitador na hora das compras.

Também foi muito comentado como esse padrão de repetição e falta de originalidade tem deixado tudo muito com uma cara jovem demais, vibe adolescente anos 90. Olha, não acho que temos que limitar o que cada uma usa, principalmente por conta de faixa etária. Eu adoro mistura, desconstrução de padrões e estereótipos, tenho 38 anos e adoro desfilar short curtinho, usar tudo muito colorido, amei a moda do tênis que traz muito conforto com estilo, MAS vamos combinar que muitas coisas já não fazem mais sentido pro meu estilo de vida hoje, rs.

Fui ao shopping fazer uma pesquisa e saí transtornada com a quantidade de patches, roupas com rombos – de tão largos são os rasgos, hahahaha –, estampas fofuchinhas, tudo meio hippie-hipster-sereismo-glitter. Eu só queria uns vestidinho bonitinho pra sair, trabalhar e ainda que colorido, adequado pra atender cliente, por exemplo, mas a coisa toda estava tão psicodélica que senti como se todos estivessem passando uma mensagem subliminar para que eu largasse tudo e vivesse de subsistência numa ilha good vibes.

jaqueta-bomber-cea
Eu gosto de jaqueta bomber! Mas não de cropped, rs! Essas são da C&A!

E eram lojas que eu conseguia há um tempo atrás entrar e montar produções tanto pra quem fosse bicho-grilo, como pra quem adora originalidade no trabalho, mas CADÊ!

Só vi cópia do que eu vejo no Pinterest das gringas. E acho ótimo vestirmos tudo o que quisermos, mas pra que limitar tanto e não trazer boas opções não quer botar a barriga de fora e nem ostentar um rasgo no bumbum?

oxfords-criativos
Adoro sapato conceitual, mas só eles de opção eu não curto.

O estilo lembrou minha época de adolescência, quando eu fuçava promoção no Mercado Mundo Mix. Mas foi simplesmente impossível separar algo para uma cliente que quer passar uma mensagem mais madura, profissional.

Eu saí pensando que a missão de encontrar peças básicas, de qualidade, com um tecido e acabamento bacanas, seria na real uma missão impossível. Eu só queria formas simples e tudo tinha um rasgo, um grafite, um flamingo, ou, pior ainda: cropped.

Outro exemplo que está me levando ao surto psicótico: quem aí ainda aguenta oxford prateado? hahahaha Eu mesma acho que enterrei o meu!

Segundo uma amiga, daqui a milhares de anos vão desenterrar toneladas de oxfords prateados e se perguntarão o que aconteceu, rs.

muitos-oxfords-prateados
Um mar de oxfords prateados esperando que alguém os resgate da liquidação

Vejam bem, eu amo oxfords e uso muito desde 2011. Amo também sapatos metalizados. Mas confesso que a overdose foi além do esperado. Será que tem tanta gente querendo se vestir exatamente igual? Que medo é esse do “errar”, do “não pertencimento”, que nos leva a comprarmos algo que não tem nada a ver conosco e copiar pessoas com estilos de vida tão diferentes dos nossos?

Outono/inverno já decretou que os oxfords de solados grossos continuam – opa, garanti o meu. Entra também mule na jogada, confesso que gosto mas acho bem polêmico. E mais oxfords metalizados, dessa vez numa versão coloridona.

Mas…e sapatilha preta…alguém avistou um par perdido por aí ou entraram em extinção?

Compartilhe nas redes sociais
pinterest: pinterest
tumblr:
google plus:

Comente pelo Facebook

Comentários pelo blog

44 comentários

  1. Milena comentou:

    Sinto exatamente isso Ana…eu tenho quase 33 anos, sei que não sou uma menininha (e nem quero ser ou parecer), mas não encontro roupas que reflitam a minha personalidade ou que não pareçam cópias de outras marcas…
    Minha sensação quando falo que não tenho o que vestir (embora tenha muitas roupas) é que nada no meu armário serve pra vestir a Milena de hoje…minha vontade às vezes é de fazer um curso de corte e costura e fazer minhas próprias roupas, tamanha minha decepção com o que encontro por aí…como não posso sair pelada (nem quero kkkkkkk), saio de casa como uma “Milena versão datada”, temendo me confundir com a multidão, já que só vemos mesmice nas vitrines hoje em dia.

    1. Lídia respondeu Milena

      Milena, meu soooonho é saber costurar!!kkkkk é muito frustrante não achar oq a gente quer/precisa.

  2. Priscilla comentou:

    Oi, Ana. Sou aquela menina de cabelo colorido que falou com você na Zara do Barra Shopping há alguns meses. Não sei se você lembra. haha

    Uma frustração que tenho tido é justamente em relação à jovialidade excessiva das peças de roupa à venda. Tenho 31 anos, me visto como se tivesse 20 (pois adoro um estilo mais jovem, apesar de achar que as lojas têm exagerado), e não consigo encontrar shorts ou saias que sejam um meio-termo entre a minissaia e a saia midi. Isso tem me deixado muito frustrada, pois faço pós-graduação e, apesar de já ter usado saias mais curtas para ir às aulas devido ao calor e da falta de opções, eu queria muito, mas muito mesmo encontrar saias um pouco mais longas, porém joviais, para poder frequentar ambientes acadêmicos. Não acho que minissaias e shorts curtíssimos sejam o mais adequado para ir à universidade, mas me sinto sem opção. E calça, apesar de ser uma opção mais “segura”, não me dá o frescor e a liberdade de movimento que a saia me dá.

    Se você ou alguma leitora puder me recomendar lojas no Rio, ou até on-line, que tenham saias e shorts um pouco mais longos, eu ficaria muito agradecida. Eu gostaria de me vestir de forma um pouco mais “adulta” (se é que isso existe), mas sem perder o meu estilo. Saias muito longas, mais formais ou lápis simplesmente não combinam comigo.

    1. Tina respondeu Priscilla

      Se vc for magrinha, alfaiataria da eclectic. Mais em conta as vezes tem na Renner. Se vc tiver mais $$, Cori e Le lis blanc.

    2. hellen respondeu Priscilla

      Também acho difícil encontrar short do comprimento ideal.

  3. Angélica Paixão comentou:

    Perfeito Ana!
    Gosto de moda, mas não quero ficar igual a ninguém!!! Vejo o que tem a ver comigo pra deixar entrar na minha vida. Tenho 36 anos, um filho de 10 e uma vida bem agitada. Então se não for somar, até posso achar bonitinho mas, passo!!!
    A minha atual dificuldade é encontrar um shorts jeans decente, sem rasgos, firulas e sem mostrar demais pra chamar de meu. Porque gostaria que essa peça mais básica pudesse durar bastante no meu guarda roupas. Ah: que não não custe um rim, por favor! Faz mais de um ano que procuro e não acho!!!
    Sigo tentando!. Bjs.

    1. Anne respondeu Angélica Paixão

      Oi Angélica, já pesquisou na Amaro? Lá tem umas opções de shot jeans e até sem ser jeans que são muito legais!
      Bjs
      http://www.simpleness.com.br

  4. Alice Gonçalves comentou:

    Oi Ana, tive uma sensação bem parecida com a tua esses dias, entrei na C&A e tive a impressão que tinha na verdade entrado num túnel do tempo de volta a minha adolescência nos anos 90,kkkkk Me deu até uma certa nostalgia, mas depois que a nostalgia passou lembrei que não tenho mais 16 anos e preciso de roupas pra trabalhar no escritório! A minha sorte é que na loja que entrei tinha uma sessão de roupas básicas com blazers, saias lápis, camisas e calças de alfaiataria, tudo muito preto e branco, mas também tinha umas camisas estampadas bonitinhas e calças estampadas também, num modelo mais clássico. Pena que essa sessão fica meio escondida na loja.

  5. Raquel comentou:

    Na minha leiga opinião, é inegável que grande parte dos produtos disponibilizados nas lojas de fast fashion está refletindo as tendências dos anos 90 (principalmente a moda adolescente), porém não estou sentindo dificuldades em encontrar peças para trabalho.
    Se não encontro nas lojas da minha cidade (o que é bem comum, já que só mandam a sobra da sobra para Manaus), tento me virar nas lojas virtuais. Sei lá… talvez eu esteja delirando, mas acho que estou conseguindo me vestir de acordo com o ambiente e de forma elegante…rsrsrs
    Como você, eu adoro oxford e adoro metalizado. Mesmo vendo esse tipo de sapato em cada esquina, eu não vou deixar de usar o que eu gosto porque tem mais gente usando…tento apenas fazer uma combinação fora do comum. Se não der, paciência, mas eu não vou deixar de usar minhas coisinhas por causa dos outros. E nem larguei minhas sapatilhas. =D
    Acho que as pessoas podem recorrer também às costureiras…valorizar o trabalho artesanal, ter o modelo que deseja, talvez até pagando menos.
    Enfim, não sei se me expressei bem, mas acho que com um pouco de esforço dá sim para encontrar peças banacas para um closet de trabalho e lazer. Dá até mesmo para aproveitar uma tendência aqui, outra ali, sem ficar com cara de quem quer ser adolescente.
    Como estamos no assunto, você poderia fazer uma pauta com looks que agreguem uma ou outra” peça do momento” e algo mais atemporal. Acho que iria ajudar bastante. Bjs!

    1. Helô respondeu Raquel

      Verdade além disso dá pra comprar uns tecidos melhores e de fibra natural e levar na costureira.

    2. Caroline® respondeu Raquel

      “Mesmo vendo esse tipo de sapato em cada esquina, eu não vou deixar de usar o que eu gosto porque tem mais gente usando…”
      Exatamente! Pra mim, o grande barato das ditas tendências não é ter que gostar de coisas novas a cada estação, mas sim achar as coisas que eu gosto com variedade e facilidade nas lojas, pra poder escolher e continuar usando mesmo depois que a “moda” passar. E todas as peças que tem a ver comigo eu uso durante anos, com tendência ou sem tendência. Portanto, o oxford metalizado (no caso, um dourado que eu já tenho e um rose gold que eu tô de olho) vai continuar no meu armário, pelo menos enquanto ele me fizer feliz. 😉

    3. Paula Pinheir respondeu Raquel

      Estava procurando uma costureira em Belo Horizonte, pois tenho alguns vestidos que já não servem mais e gostaria de copiar o modelo. Quando encontrei, fui toda feliz pra fazer orçamentos e ver a indicação dos tecidos… fiquei assustadíssima pois levei aproximadamente 6 vestidos, e tinha a intenção de fazer os 6, e cada vestido sairia por R$ 220, 00, fora o tecido, o tempo/condução para ir comprar os tecidos e fazer as provas necessárias. Enfim, o cada vestido sairia por aproximadamente R$ 300,00 reais, e esse não é um valor que estou acostumada/posso pagar para vestidos de dia a dia (ou seja, que não são de festa). Com isso fiquei pensando se estou muito fora da realidade de preços de costureiras ou se é porque tudo é caro assim mesmo.

      1. Maria respondeu Paula Pinheir

        Paula, minha mãe é costureira e tenho alguma ideia dos valores que ela cobra. Com base nisso, creio que este seu orçamento está bem alto. Por outro lado, ela cobra valores mais baixos porque as pessoas simplesmente se recusam a valorizar o trabalho de uma costureira, mas aceitam pagar caro em uma roupa mal acabada de marca. Complicado.

  6. Ana Clara Meira Santos comentou:

    EU NÃO AGUENTO MAIS OXFORD PRATEADO NA MINHA VIDA!

    Fiquei eras procurando um oxford marrom (sinto que funciono muito melhor se a base da minha paleta for marrom, em especial desde que comecei a tingir meu cabelo de ruivo) e achei numa loja no meio do nada da Augusta. Comprei com uma ferocidade que acho que a atendente deve estar achando até hoje se eu transmito raiva rs!

    De qualquer forma, eu gosto da moda cropped. Gosto porque tenho o quadril largo e ombros menores e sempre acho que ele valoriza os quadris largos. É a primeira vez na vida que eu não tento esconder eles com uma blusa comprida, sinto que estou assumindo que tenho E DAÍ. É uma moda que eu espero que dure muito tempo hahaha ):

    Bomber Jacket é uma coisa estranha. Eu sempre acho que ela não veste ninguém bem e nunca vou entender o sucesso que ela faz…

  7. Lívia Aires comentou:

    Boa tarde Ana! Sempre leio seu blog mas nunca comentei… E a sua pergunta final sobre a sapatilha preta me lembrou uma situação que aconteceu comigo recentemente. A sapatilha preta que estou precisando até encontrei. Na Arezzo, naquela entresafra de prévia de coleção de inverno. Era bico fino, com umas pérolas na ponta. Embora cara, arrumadinha. E como estou grávida, e meu pé está um pouco inchado, ia comprar porque não estava achando uma que me agradasse em outros lugares e nem tava disposta a procurar mais. Então pedi um número acima do meu – calço 38; pedi 39. Qual não foi minha surpresa quando a vendedora disse que a loja não pediu número 39!!!!! Só pedem 39 daquela linha de modelos básicos, a Classic, que independe de coleção. Achei absurdo!

    1. Alicita respondeu Lívia Aires

      Oi, Lívia! Tudo bem? Eu calço 39 e a forma da Arezzo é muito pequena pro meu pé. Aí, como você, quando eu peço um número maior, o que me dizem? Que nem todos os modelos são feitos tamanho 40. E quando tem, só a linha classic que eu acho muito dura, inclusive.
      Não consigo entender como uma marca grande como a Arezzo fica nessa miséria de tamanhos. E os culpados também são os lojistas de não manter um estoque decente pra quem calça essa numeração.
      E olha que tem mais e mais mulheres que calçam acima de 40. Imagina o sofrimento????
      É muito injusto.
      Espero que sua gravidez esteja tranquila! Tudo de bom pra você e o bebê! : )

    2. Tina respondeu Lívia Aires

      Dá uma olhada no site da shoestock!

  8. Marcella comentou:

    Adoro minhas sapatilhas pretas…….vou usar ainda muito! 🙂

  9. Leticia Almeida comentou:

    Acho que o básico está em extinção, ou sou só eu que tenho essa impressão?
    Tenho muita dificuldade em achar roupas básicas, confortáveis, frescas para o verão e ainda adequadas para trabalhar. Ah, quando acho a qualidade não é lá essa coisa e não justificam o preço. Quando a qualidade é ok, o preço está nas alturas. Não tenho coragem de pagar 300 reais numa calça, 500 em um vestido.
    Tô pensando em fazer um curso de costura e fazer as minhas roupas.

  10. Beta comentou:

    Perfeito, Ana! A solução que encontrei, além dos brechós velhos de guerra, foi passar a garimpar roupas de marcas e confecções pequenas. Faz já algum tempo que não consigo encontrar nada que goste na C&A, por exemplo! Ri alto do comentário da sua amiga sobre o Oxford metalizado porque, desde que comecei a avistá-lo em todas as vitrines, ele já anunciava que seria o próximo sneaker Isabel Marant. E olha que AMO Oxford desde sempre! Sei que corro o risco de soar preconceituosa mas, pra mim, quando simplesmente TODO mundo adere a um item de moda, independente de gosto e estilo pessoal, começa a ser decretada a morte fashion da coisa em questão. Assim, a questão não passa tanto pela popularização da tendência, mas sim pelo esvaziamento do sentido estilístico da coisa, sabe? É assim que penso, não sei se você concorda. Beijo grande e obrigada pela reflexão! ♡

  11. Thalita comentou:

    Cara, eu só quero uma jaqueta jeans. Que não seja rasgada, não tenha rabiscos, não seja cropped e nem desfiada. Tem meses que eu procuro!!! Meses!!! A jaqueta básica de couro, dessa eu até desisti.

    1. Tati respondeu Thalita

      Exatamente! Sabe que já pensei em mandar fazer? Qual a dificuldade de fazer umas pecinhas básicas, né?

    2. Nat respondeu Thalita

      Gente, eu também tô há meses procurando uma jaqueta ou camisa jeans “normal”. Sem sucesso.

    3. Bianca Beatrice respondeu Thalita

      Procure na loja Lorsa… São de fábrica e tem muitos básicos.

    4. Isa respondeu Thalita

      Thalita, estava nesse mesmo dilema! Há seculos queria uma jaqueta básica. Tirei o escorpião do bolso e comprei uma Levis. Linda! Veste muito bem! E o tanto que já usei, já pagou pelo preço alto! E tenho certeza que vou usar por muitos e muitos e muitos anos! Compra inteligente que pra mim valeu muito a pena! Bjo!

      1. Ana Carolina respondeu Isa

        Isa, exatamente! Amo minha Levi’s, comprei no Mercado Livre por R$86. Gente, to com uma jaqueta básica que amo, de brechó, paguei 20 pilas!

  12. Tati de Porto Alegre comentou:

    Ana, eu A-M-O como a gente vê essa troca contigo, como é bom te ver tão igualzinha a nós que estamos do outro lado das telinhas brilhantes =)))
    Aguardarei ansiosamente os arqueólogos desenterrarem os oxfords prateados. Talvez lá eu resolva ter um par – pois desta vez quando eu comecei a querer, me enjoei de ver por ai!

    E viva as diferenças e, com elas, as felizes coincidências!

  13. Lais R comentou:

    Pra mim a ditadura do cropped já passou de todos os limites. Quem vive no calorão do Rio sabe que é necessário repor o estoque de blusas frescas, mas como achar uma “brusinha” que não seja cropped? Impossível. Parece que de todo mundo TEM que usar isso.

    1. Nat respondeu Lais R

      Também acho uó… vejo de longe um tecido legal, estampa bonita, vou pegar pra olhar…cropped! Já deixo de lado.

    2. Monica respondeu Lais R

      Ainda bem q não estou sozinha! Adoro e sem pre adorei as estampas da Cantão. Tem uns 05 meses que passo lá em busca de uma blusa legal, vejo as estampas lindinhas, do meu tamanho, mas quando chego perto… cropped!!!! Que eu detesto, veste mal em mim, parece que eu fui cortada no meio credo! E aí eu sigo sem comprar 👍🏼👍🏼👍🏼👍🏼

  14. Eliane Campos comentou:

    Cara Ana, a gente sabe que o mercado não quer saber se você gosta ou não, se a tendência vai pegar, se de repente alguém como eu que adora as plataformas com flare, numa pegada mais boho, vai de repente abandonar o que me faz sentir confortável e elegante, e passar a calçar um sapato masculino… Não me vejo nesta vibe ircccc!!!
    Por que, na realidade, o que eles querem é vender. A indústria da moda sobrevive desta rotatividade, sabemos disso, tendências em cima de tendências.
    Mas, me perdoem os entendidos, isso tudo me passa a impressão de miopia. Principalmente aqui no Brasil, que é tudo muito dia, solar, colorido.
    Ontem fui a um shopping daqui da cidade e fiquei frustrada pela quantidade de oxfords, loafers e tantos outros masculinos que encontrei, metalizados, coloridos, gliterados (rsrsrs). Pra onde vamos com tanto brilho. E eu, tadinha, que só queria uma sandalinha maneira e confortável (sniff).
    Termina indo tudo pra promoção, e ficando no fundo do armário de muita gente (rsrsr).
    Concordo com sua amiga… No futuro vão questionar: “O que é que houve?!”

  15. Ana comentou:

    Falou tudo, Ana!
    Tirando umas 3 lojas que têm preços nada amigos, não consigo achar nada adequado ao meu estilo. Tenho 35 anos, gosto de peças básicas, com bom corte e bom tecido, no comprimento certo. De repente, o que pra mim era absurdo (pagar 250 reais numa blusa ou 500 reais num vestido) acabou tendo que virar rotina . E o consumo, por razões óbvias, teve que diminuir.
    Ando pelas lojas com a sensação de que tudo virou a Forever 21. Só que nem todo mundo quer aparentar ter 21 pra sempre…

  16. Andressa comentou:

    Gente, o pior é que tá desse jeito em todo o lugar. Estou passando um tempo em Estocolmo, e só Jesus na causa para comprar roupa! Tudo o que vejo na vitrine segue a linha adolescente, década de 90. A H&M até cansa, só tem isso. As roupas com tamanhos reduzidos, qualidade bem mais ou menos, cara de tenho 15 anos. Estou com 29. Não me visto como senhora, mas também não rola ficar na vibe Peter Pan. Até vejo modelagens mais amplas, que não marcam tanto, em outras lojas mais chiques, mas honestamente, não cabem no orçamento da doutoranda aqui. Não tô podendo gastar 50, 60 euros em uma peça de roupa. Além do mais, nem todas as peças assim me favorecem, me sinto vestindo um saco de batatas! E como as suecas no geral são bem mais altas que eu (que tenho 1,60) e mais longilíneas, não rola muito para mim não. Por outro lado, se você fuçar, peças básicas, você acha, mas a qualidade…duvidosa. O mundo anda muito chato no quesito moda 😛

  17. Denise D. comentou:

    Ana, eu entendo que você que trabalha com clientes que precisam de novas peças esteja frustrada com tantas peças voltadas para o público mais jovem. Quanto a mim, meu bolso agradece. Tenho comprado muito pouco.
    Ah, quanto às sapatilhas pretas, a C&a e Via Mia tem para vender. Bem lindas, por sinal. Rs
    Bjs

  18. Priscila comentou:

    Ana, meu amor, você me representa!!! Disse tudo!!!! Concordo plenamente!! Creio que todos os gostos devem ser atendidos e cada uma de vestir como quiser, mas hoje em dia é quase que impossível, pelo menos dentro dos meus padrões $$$, encontrar algo que não seja rasgado, furados, ou que mostre meu buxinho…kkkkkk

    Beijos!!!❤❤❤

  19. Nary comentou:

    Tô precisando comprar umas roupas pra trabalhar e meldels, só tem camisetinha pra adolescente e que coisa difícil! Eu trabalho em agência de publicidade mas eu não sou da vibes patches descoladex cropped. Tá bem foda ter passado dos 30 e não achar uma roupa ok pra viver.

  20. Raquel B. comentou:

    Amo oxford, tenho vários, mas nenhum desses cheios de tendências.

    Acho que a facilidade de produzir e distribuir moda trouxe uma enxurrada de “tendências”, de novidades, tudo muito rápido e descartável. Há uma década as coisas demoravam mais, eram menos acessíveis e, por isso mais básicas. Ninguém podia torrar grana com algo e deixar de usar no mês seguinte. Agora a maioria das pessoas consegue comprar roupas, ainda que sejam peças ruins, com muito mais frequência. Então todo mês tem novidades, tem tendência nova, mas tudo tão rápido que a novidade se torna repetitiva. Ao invés de ter novidades, gente construindo seu estilo, acontece o contrário. A enxurrada de novidades, que nem consegue ser mais novidades, a massificação, tudo leva a uma dificuldade de se construir um estilo. Eu não queria um sapato metalizado, mas vi tanto que passei a querer. Comprei um tênis que foge um pouco dos modelos mais replicados pois sei que logo isso vai estar datado. E o pior, eu mesma estarei cansada de ter visto tanta peça prateada. Agente cansa das peças pois todo mundo está igual, cansa o olhar.

    Não sei se ficou claro meu comentário, mas acho que a facilidade de se produzir trouxe um problema quando se deixa de ver roupa como apenas vestir, mas como forma de se expressar. Nós não estamos prontos como consumidores e quem produz não está pronto pra esse novo cenário. Acho que precisamos insistir em criar um estilo, em nos apegar ao nosso guarda-roupa, conhecer o que tem lá dentro, o que funciona. Se nossa postura como consumidora mudar, talvez o mercado também mude.

    Espero que meu comentário não soe elitista. Sou cliente de lojas de departamento, já passei aperto, parcelei em trocentas vezes e justamente por isso fico triste quando vejo meus erros ou quando não encontro peças legais.

  21. Stella comentou:

    Short jeans básico. Sem desfiados, rasgos, desbotados. Nunca mais vi…

  22. Lalá comentou:

    Muita dificuldade em encontrar roupas de qualidade por um preço justo, nem pras minhas filhas adolescentes consigo comprar roupas porque tudo é curto, decotado e cropped, muita sensualidade para meninas de 12, 14 anos que são crianças ainda.
    Pra mim que prefiro poucas roupas de boa qualidade tá complicado porque os preços estão absurdos e as roupas “em conta” são descartáveis.

  23. Maria Clara comentou:

    Sapatilhas pretas? Só se for de bailarina com direito a fita pra amarrar no tornozelo kkkkk Caraca, hj tava falando exatamente isso com uma amg.

    1. Cly respondeu Maria Clara

      kkkkk vdd!! essa moda de sapatilha de bailarina…de veludo, ainda por cima!!cruzes!!!

  24. Lídia comentou:

    morri com sua pergunta de quem aí aguenta mais oxford prateado!! comprei um ontem!!!!kkkkkk mas não é prateado, é metalizado escuro..kkkk
    Então..onde estão as sapatilhas pretas??? coisa mais difícil de achar!! nudes tb!! Faz tempo que tô querendo um sapato (sapatilha ou sliper, etc) de onça(amo!) e nem resquício deles!

  25. Patricia comentou:

    Concordo totalmente!!! Até uns 3 anos atrás, era possível entrar em fast shops como Riachuelo, Marisa e C&A e sair de lá com alguma pecinha neutra e bem cortada. Agora eu ando, ando e só vejo roupas de adolescente, com péssimo caimento e tecidos beeeem ruins. Acho que a única loja em que ainda encontro alguma coisa legal é a Renner (mas tem que procurar muito). Onde isso vai parar???

  26. Pâmela Lenoir comentou:

    hahahahha, bem verdade. Eu ainda amo os básicos. 80% dos meus sapatos são pretos, mas estou tentando mudar as cores aos poucos. Mas acho bem chato ir em uma loja comprar uma blusa e a maioria das opções serem cropeds. E, além disso, é extremamente difícil encontrar uma blusinha básica de manga comprida pra vc usar. Sério!! kkkk