Muito além das remarcações de Karl para Riachuelo e Ateen para C&A

Enquanto fui observar de perto essa coleção da Replay para a C&A, avistei logo na entrada araras e mais araras com a enorme quantidade de sobras da coleção da Ateen, remarcadas para R$49, R$69 e R$99.

Saias e calças em veludo, blusas e mais blusas, saias longas, algumas coisas interessantes como cardigan de tricô a 49,90 e um ou outro acessório. Mesmo assim eu suspirei. Pegaram uma ideia tão bacana como as coleções especiais de marcas e estilistas que admiramos e conseguiram banalizar. O que deveria ser sazonal e mais espaçado, não dá conta nem de esperar a gente debitar nossas parcelas no cartão.

ateen-cea

De qualquer maneira, quem estava de olho em algo dessa coleção, pode ser uma boa oportunidade para conferir.

Aí ontem, a Munique, leitora antiga do blog e minha ex-cliente de consultoria, me mandou via whatsapp o flagra da coleção do Karl Lagerfel + Riachuelo já com preços reavaliados, digamos assim; estava remarcada, mas ainda muito cara pro que é. Mas vejam bem: já reduziram em Salvador os preços. Em menos de duas semanas!

karl-rchlo-2
Bolsa Karl na Riachuelo era 349,90, agora baixou para 229,90 – leitoras continuaram reclamando do preço.

karl-rchlo
As echarpes antes custavam 79,90 e agora saem a 49,90.

Por isso precisamos começar a questionar essas ~coleções~ que nos forçam uma ida desnecessária e muitas vezes “inocente” às lojas toda semana: se tem tanta coisa remarcando assim ou, se essa coleção que foi super festejada entre personalidades da internet e editoras de modas de revistas encalha e sofre uma baixa nos preços em duas semanas, é porque esse sistema precisa ser revisto e algo não está legal.

Na mesma loja da C&A eu ouvi a cada dois minutos nos auto falantes, a coleção que foi desenvolvida pensando no meio ambiente, usando algodão sustentável. Na Riachuelo de Ipanema, um conceito de um rooftop (hahaha, amo) todo verde. A intenção é pegar carona no consumo consciente e continuar vendendo, mas temos que analisar espertamente os espaços dos provadores assim que saímos deles e reparar a quantidade assustadora de roupas penduradas. Precisa de tanto, tanto?

Faz mal ter novidade? Não. Querer vender? Não. Desejar algo trazer com mais rapidez as tendências que antes demoravam pra chegar? Claro que não! Mas de que forma isso está sendo executado? Está atendendo mesmo nossas necessidades e, principalmente, nossos bolsos?

A crise tem levado todo mundo a se segurar e refletir antes de sacar o cartão. Tem vezes que eu nem consigo analisar direito se eu estou levando algo porque eu realmente gostei ou se me influenciei apenas pelo momento. Se eu vou comprar aquilo agora e naquele mesmo mês vai aparecer outra novidade imperdível e eu já escolhi a da outra, aí se fico, se troco, se compro depois…e aí isso tudo confunde, desgasta, cansa. Na dúvida, não compro.

Compartilhe nas redes sociais
pinterest: pinterest
tumblr:
google plus:

Comente pelo Facebook

Comentários pelo blog

14 comentários

  1. Pois é, Ana! A gente tem que reavaliar as compras por impulso. Fiquei com peninha de quem comprou com preço cheio no lançamento…

    Enquanto isso, tenho acompanhado o link bazar do Cantão, que vem desde o início do mês colocando peças incríveis como blazers na promoção por apenas R$79,90, bem mais barato do que na fast fashion e com a qualidade Cantão, que sempre tem ótimo tecido, corte, acabamento, caimento…

    bjssss

  2. Camila Paula comentou:

    Não sei o que adianta a C&A fazer roupas de algodão sustentável fabricadas na China. Tá mais pra insustentável! Jogam o caô do meio ambiente, mas não pensam na exploração de trabalho das pessoas que contratam.

    1. Cris respondeu Camila Paula

      Oi, Cami! Pensar, eles pensam mas, dificilmente, uma marca que já não tenha sido criada em sua concepção com esse apelo de MKT focado em preocupação ambiental, pensa porque quer esta filosofia. Na maioria das vezes, faz para associar o branding ao tema e pegar carona para levantar valor de mercado para as mercadorias e, consequentemente, ganhar ‘público’. É triste mesmo e você tem toda razão.
      bjs,
      Cris Cardoso (criscardoso.com)

  3. Dalva Santos comentou:

    Olá Ana,

    Pra mim tudo se resume no consumismo que é a marca registrada deste século 21. Com certeza não temos necessidade do produto,mas estamos condicionados a comprá-los. A sociedade industrializada que necessita vender e vender,abastece o mercado com novos produtos a todo momento, e isto serve pra qualquer coisa, celular então, nem se fala. Acho que o momento é de reflexão mesmo, como você fez, repensar nossas escolhas, eu mesma estou fazendo isto. O problema aqui não é: não vou comprar na loja y, mas na x etc., o problema é: eu preciso realmente de mais uma calça jeans ou vestido, independente, de qual estilista seja ou quão boa seja a coleção.Eu sei que é difícil porque vivemos numa sociedade capitalista que a todo momento nos convida a consumir. Mas pelo bem do planeta e do nosso bem estar social temos que nos policiar.

  4. Mary comentou:

    Ana, apenas muito obrigada por trazer essas reflexões à tona! Concordo com vc em gênero, número e grau. Essa frequencia de “coleções especiais” anda tão absurda que, ao meu ver, já deixaram de ser especiais. Acho que as fast fashions apertam o botão acelerar e esqueceram de parar. Ou não estão analisando bem o cenário atual. Ou acham que a gente é muito burrinha mesmo e vamos comprar tudo que eles lançarem de olhos fechados.

    Tá mais do que na hora de começarem a rever esse marketing que tenta empurrar coleção atras de coleção, na fé de que o fervor da novidade vai esgotar tudo. Parece que eles tão em outro planeta.

  5. Juliana M comentou:

    Exatamente Ana na dúvida não compro.Sempre pesquisar os preços,e ter por necessidade de verdade tal coisa.Como a crise realmente mim afetou e não é clichê e sim uma dura e cruel realidade,comprar só o necessário e dentro do meu orçamento enxuto,acho cara essas coleções que eles denominam de especiais sendo que as marcas poderiam vende-las por um preço +justo com por exemplo os que tem nas remarcações e pontas de estoque,perda total garanto que eles não iriam ter.

  6. Lais R comentou:

    Muitas vezes acabo passando pela situação inversa. Faço uma lista de itens que realmente preciso e não encontro nada que eu realmente goste. As lojas estão abarrotadas de roupas, mas há uma espécie de crise de criatividade. A coleção Ateen parecia continuação da parte mais adulta da C&A. Se antes as coleções eram uma chance de encontrar algo mais diferente nas fast fashion, até isso não acontece mais.

  7. Silvia comentou:

    Concordo plenamente, Ana. A C&A precisa espaçar essas coleções. É uma avalanche mensal em cima das consumidoras. Já diz o ditado que “quantidade não é qualidade. Só falta às fãs fashion colocar a máxima em prática.

  8. Silvia comentou:

    Fast fashions, corrigindo

  9. Gi comentou:

    Ana, pra mim, só se confirma que essas coleções nada tem de especiais. São os mesmos produtos que estamos acostumados a ver. Só mudam os preços. Pois, se não fosse assim, as lojas estariam levando prejuízo após prejuízo, e continuando com a mesma estratégia? Claro que não! O que eles põem na etiqueta a 100,00 custa 50,00… É muito absurdo!
    Que bom que vc traz à tona reflexões importantes sobre consumo.
    Bjs

    1. Ana Carolina respondeu Gi

      Né? Se é pra ser especial, que seja o que não vemos nas coleções normais das lojas :/

  10. Denise D. comentou:

    A única coisa que direi sobre a liquidação que vi da Ateen para C&A é que sobraram as peças de poliéster. Acho que a mulherada tá repensando a compra deste material, ainda mais no calorão do RJ.
    bjs

  11. Camila comentou:

    Hoje vi na Riachuelo do Riomar Recife uma bolsinha rosa do Karl remarcada por R$49,90. Foi estranho pq tinha uma igual por R$249,90 ainda hehehhe até cogitei, mas era tão vagabunda e eu já tenho tanta bolsa que não valia os 50 conto hauhauhauahu. A amarelinha pequena estava por R$169,90. E algumas roupas tb estavam remarcadas. As camisetas por R$49,90 e R$39,90. Mesmo assim não valiam a pena, prefiro comprar Chico Rei mais cara, mas com algodão bom.
    Dessas últimas coleções a única boa foi a de Herchcovitch pq tinha muita roupa de tecido de qualidade, não me arrependi da calça e do suéter que comprei.

  12. Tina comentou:

    Oi Ana, ontem vazou a coleção completa da Joulik e fuen fuen… tirando as jaquetas que vc postou, o resto é só tranqueira… Jeans horroroso, camisetas mais feias que as da propria cea, enfim… acho que essa vou pular, pq tenho já uma jaqueta menos bonita mas que faz a funçao da de 500 reais.bjs