Não banalizem a vida real

home-fucking-home

poster daqui.

Certa vez eu caminhava pelo shopping da Tijuca com uma amiga quando uma leitora me reconheceu “Ana! Que alegria te encontrar aqui! Achei que você só andasse no Shopping Leblon”. Ela falou sério e eu brinquei, provocativa, como uma pessoa que prova coxinha em lanchonete e está sempre falando de moda acessível pode ficar só flanando no Leblon? Entendi o seu ponto de vista: ela não achava que blogueiras conhecidas frequentassem lugares mais comuns.

Eu sempre considerei importante pontuar várias questões aqui mais do que pertinentes sobre moda da vida real. Com o excesso de perfis no instagram e em blogs mostrando vidas incríveis, com viagens internacionais a cada semana, praias paradisíacas a cada semestre, looks com as roupas mais desejadas do momento, eventos bombados de celebridades, eu comecei a bater nessa tecla do cotidiano comum com afinco.

Por que ninguém valoriza se vestir bem no dia a dia? Por que só situações fantásticas merecem produções à altura, se a nossa vida tá acontecendo AGORA e é só ela que temos?

Não para contrariar ou fazer a diferentona, mas eita, ESSA é a minha vida. Essa é a vida das minhas amigas. Compro na liquidação não apenas para economizar, mas para conseguir comprar determinada peça. Sou mão de vaca com muita coisa para sobrar dinheiro para aquele curso. Não saio todo final de semana para comprar melhor no supermercado.

Compreendo que meu discurso é de resistência – quem quer ler sobre vida real depois de levar 2h no ônibus lotado do trabalho pra casa? Não é todo mundo, não.

Infelizmente eu já me deixei influenciar e não aceitava tão bem a minha rotina. Olhava as diversas revistas, blogs e painéis fantásticos no Pinterest e pensava por que minha casa não poderia ser tão inspiradora e bem decorada. Por que, por mais roupas que eu comprasse, eu não tinha aquele estilo e aquele closet dos sonhos. Uma sensação terrível de trabalhar tanto, tanto, para o dinheiro pagar apenas contas e não sobrar mais para a viagem maravilhosa, para morar num apartamento melhor ou possuir aquele colete fabuloso.

Acho que esse sentimento sempre foi maior em relação à minha casa. Uma necessidade de sair da casa dos pais para ter meu espaço, meses procurando um apartamento sem ter comprovante de renda à altura das imobiliárias e sem fiador, e, após muita sofrência, um deles me aceitou como inquilina.

Não era o meu apartamento ideal, longe disso: um prédio feioso, banheiro e cozinha antigos, sala e quarto bem apertados, mas com uma vista linda para um morro verde, bem localizado, um aluguel bem barato e a promessa de dias melhores embutida naquelas paredes. Pensei que logo sairia daqui, que seria o meu primeiro apê. Estamos aqui há longos 9 anos.

pint

Comprei com as minhas economias tudo o que eu precisava: dos talheres nas Lojas Americanas à cama, da máquina de lavar às toalhas na Leader. E durante muitos anos fiquei sem a menor vontade de decorar, com o desejo de sair em breve.

E um belo dia a bolha imobiliária estoura, levando nossas esperanças de comprar um apartamento. Os alugueis dobraram de um mês pro outro e achamos melhor ficar até as coisas se acalmarem. Aceitei o fato e abracei melhor essa casa: compramos móveis novos, senti gosto em decorá-la, enchê-la de plantas e chamá-la de lar.

Até que, finalmente, numa oportunidade única, conseguimos uma casa nova. Alugamos um apê maior, bem melhor, na nossa amada Tijuca, com uma cozinha e banheiro tão espaçosos que eu nem acredito. Um sacrifício maior também, mas seguido da conclusão de uma etapa nas nossas vidas. Se antes eu aceitava qualquer coisa em troca de liberdade, hoje eu já quero conforto, o retorno justo de dias trabalhando pesado. Terei espaço para me maquiar, para cozinhar, para me arrumar, estou MUITO empolgada!

Aí aconteceu. Às vésperas de sairmos, veio gravação de TV, veio jornal fotografar para matéria, nunca na minha vida tantos veículos estiveram aqui em casa.

Um desses era um site desses mais phynos, que vende móveis e decoração na casa dos milhares de reais. Queriam que eu fosse um dos personagens, insistiram muito e negociamos móveis novos em troca da minha cara no site deles, olha que sintonia. Comentei que estava de mudança para uma casa melhor, mas não poderiam esperar para me fotografar em casa – quem pode esperar em dias de urgências fantásticas, não é mesmo?

Estavam todos muito empolgados, marcando fotos e aí pediram as fotos dos cômodos para ~estudar~ a luz. Mandei. E, como num passe de mágica, a empolgação se foi. Cancelaram as fotos alegando que eu estava num momento delicado de mudança, que sabiam que eu tinha que manter uma imagem coerente com meu site e meu posicionamento no mercado que atuo.

Eu entendi o recado, fiquei mordida, passei a mão no telefone e confirmei. Trocando em miúdos, minha casa não era coerente com a minha aparência. Presumiram que eu morava numa casa-capa-de-revista e não onde o quarto só tem espaço suficiente para caber um armário e uma cama de casal. Sinto informar que para tirar carteira profissional de blogueira não é pré-requisito ter casa decorada pelo arquiteto de Caras, minha gente. Ou é e eu estou por fora?

Eu entendo o lado deles? Até entendo. Eles precisam manter o “padrão”. Mas aí argumentaram “a gente queria muito você, porque você é vida real”.

Desculpem. O que eles não querem é vida real, banalizou-se o termo. Não passa pela compreensão alheia como é a vida de verdade de alguém que saiu de casa sem ajuda alguma, que comprou com seu dinheiro e sacrifício tudo o que tem – e, sim, tem móveis da Oppa e da Tok&Stok, mas tem também os móveis da Casas Bahia e da maravilhosa Rua dos móveis, no Cachambi.

homeiswheretheheartis

É uma casa apertada, mas irreverente e colorida. É onde eu sento todos os dias para escrever. É o meu retiro particular em dias de preguiça, onde eu recebi as piores e as melhores notícias da minha vida. É o meu lar. Imperfeito, como as nossas vidas, como a nossa rotina.

Eu confesso: odiava morar aqui, sonhava em me mudar. Pois agora eu penso: que bom que eu vim pra cá. Aqui eu aprendi o que significa ser feliz. Aqui que eu casei, sem testemunhas ou festa. E penso também no quão foda sou eu e são as minhas amigas que dividem apertamentos velhos, que precisaram morar de favor na casa de alguém porque a vida tem desses revezes, que sonham também com uma vida um pouquinho melhor.

Encarar realidade, batalhar e construir algo por conta própria é só para as fortes, como nós.

Não precisa ter móvel de grife do site luxuoso. Carece não. Quando eu me mudar, convido todo mundo a se sentar no chão da sala ainda vazia, com uma taça de um bom vinho tinto, para rirmos das nossas mazelas e brindarmos nossas conquistas.

Se vocês vem até aqui diariamente, eu sei que não é pelas roupas, pela casa de Pinterest ou pela “imagem coerente no meu site”. Tem algo mais valioso. Tem um significado maior no reconhecimento das minhas mensagens e do meu discurso, além de um profissionalismo acima da média. E isso, meus amigos, não se mede por metro quadrado. Não existe o decorativo quando não se tem o conteúdo.

Eu não quero ser quem eu não sou, estou muito feliz assim. Obrigada <3

Compartilhe nas redes sociais
pinterest: pinterest
tumblr:
google plus:

Comente pelo Facebook

Comentários pelo blog

122 comentários

  1. Simone comentou:

    Aplaudo de pé! Lindo o seu texto! Texto de gente real!

  2. Renata comentou:

    Ótimo texto! É exatamente isso que o público precisa. Se relacionar com o real e sair do mundo aspiracional, que só estimula o consumismo e gera frustração. Parabéns, Ana!

  3. Shirley comentou:

    Belíssimo texto.
    Concordo em gênero, número e grau,
    pra falar o mínimo.
    Bjs
    Shirley
    Curitiba-PT

  4. Bruna comentou:

    Brilhou!!
    ‘Tamo’ junto na resistencia, na vida real (MINHA vida, mais especificamente), nas escolhas e se arrumar prá pegar um busão ou resolver coisas no centrão!

    Vamos nos dar as mãos, rsrs

    Bjo e continue sendo e se alegrando com quem você é, com suas escolhas e curtindo a vida ‘do jeito que dá’ (ou então mude para quem você quer ser), sem mimimi

  5. monica comentou:

    Querida Ana,
    Como sempre inspiradora!
    De uma vizinha da sua Tijuca;) bjs

  6. Anaide comentou:

    Vindo de você, esse texto não poderia ser mais coerente e real! Parabéns pela sanidade e sinceridade! Cada dia mais fã!

  7. talita comentou:

    Eu amei, simplesmente, amei!!!!!!

    Ana, parei de seguir todos os “mundos perfeitos” que não não refletem minha vida de bancária lutadora que divide apartamento com mais 2 meninas em BH e tem um cachorro vira-lata e não, um dog de R$ 15 mil…. VIVA A VIDA REAL

  8. Ana, querida..
    Acompanho (calada) seu blog há tempos, já até esbarrei com VC e não tive coragem de dizer “oi”.. Afinal, era domingo e VC estava num momento de descanso 🙂
    Além de me identificar com o seu manifesto, me identifiquei com.o seu texto.. E deve ser pq sou designer de interiores e pq tenho nadado contra essa corrente da casa 100% perfeita, com.móveis comprados a preço de ouro… Assim como VC, moro de aluguel e quis fazer da minha casa um lar.. Inpendente dos móveis (q eu TB paguei com muito custo, em 10x) todos comprados (em promoção) na tok stok e etna.. Casa tem que ter alma.. Tem que ter história do dono e tem que refletir quem a gente é na vida real.. Sem seguir tendências mirabolantes citadas em revistas que imprimem títulos de ” casa dos sonhos”
    Oi? Sonhos de quem?
    Estamos juntas nesse manifesto e gostaria de dizer que teria o maior prazer do mundo em ajudá-la na sua casa nova!! Se precisar de qualquer ajuda, meu nome é “pronto”!!

    Super beijo

    1. Ana Carolina respondeu Carol Dias

      Obrigada Carol! O meu tino pra roupas é infinitamente melhor que o pra decoração! hahaha! Aceito o help! 🙂 Obrigada pelo seu carinho <3

  9. Munique comentou:

    Parabéns Aninha, lindo texto!!!!
    Vc sempre muito sincera e verdadeira, volto diariamente ao seu blog, pelo seu sorriso e pelo seu jeito criativo e real pra encarar a moda e a vida em geral! S2

  10. Livia comentou:

    Ana querida, que texto lindo, inspirador!
    Te confesso q chorei..e tive raiva dessa “empresa” que mostra só a vida “fake” como ela é!
    Nao se abale, a sua essência e algo tão real e perfeito, q eles tinham q te dar a capa, os moveis, o apê e tudo maisq vc merece!
    Vc é de verdade, gente como a gente, q luta, rala, sonha, constrói e e feliz!
    Te amo hoje e sempre!

    1. Ana Carolina respondeu Livia

      te amo também, Livia <3

  11. fernanda comentou:

    Parabéns !!! Disse tudo.
    E quanta educação em não divulgar esta loja ridícula que de vida real não tem nada .
    beijos e sucesso.

  12. Cristina comentou:

    Ana, nós amamos você do jeito que é! Não por onde você mora, mas sim pela inspiração que é para todos nós. Pela coragem de ser real, de correr contra a maré, de ter sua opinião quando a maioria segue o senso comum. S2

  13. Sou fã!
    Realmente, venho aqui por outros motivos além de moda, até porque nossos estilos não são parecidos. Mas venho pela verdade, pelas reflexões e vida real.
    Parabéns pelo trabalho, pela seriedade e sinceridade.

  14. Marcia comentou:

    Oi Ana,

    Seu texto é simplesmente fantástico!! Há pouco tempo descobri seu blog, cansei de blogs totalmente fora da minha realidade (e de 99% das pessoas, não?), que mostram uma vida vazia, alienada e irreal. Em pouco tempo aprendi tanta coisa útil com você, melhorei muita coisa na vida desde que comecei a ler seus textos. Parabéns pelos textos e pelo discurso consciente e verdadeiro, continue assim! Bjs

  15. Mariana comentou:

    Meu Deus Ana..como chorei lendo isso! Eu sai de casa com 22 anos pra uma cidade muito longe e muito cara. Os moveis velhos e sem uso da minha mãe foram comigo e eu morei 7 ano assim, de casa velha em casa velha. Sempre dividindo com amigas. Terminei minhas atividades nessa cidade e me mudei pra outra. O apartamento não tem nada a ver comigo mas foi o que meu namorado pôde comprar. Os móveis são novos, escolhidos a dedo, pagos a prestação. Mas como eu sofro de morar num bairro que não gosto, num apartamento que não gosto. E as vezes esqueço, dou risada. Sei que tem situações piores…sei que tem gente fugindo de seus países com uma mochilinha nas costas. vivo nessa montanha russa de sentimentos. Graduação, mestrado, doutorado…nenhum emprego e várias rasteiras. Um dia melhora, tenho fé!
    Obrigada pelas palavras…

    1. Ana Carolina respondeu Mariana

      Toma um abraço Mari! Sim, isso porque nem citei as pessoas que nem teto tem. Somos pessoas de sorte!

  16. Camila comentou:

    Lindo texto! Só temos uma vida e não adianta sonhar com a dos outros. Temos que valorizar a nossa mesmo 🙂
    Já te vi muitas vezes na Tijuca hehe Semana passada foi na Uruguai próximo à Cultura Inglesa, sorri e pensei: Que linda a Ana!
    Um grande beijo!

    1. Ana Carolina respondeu Camila

      ownnnnn lindona <3

  17. Luiza comentou:

    Oi Ana, sou super sua fã também. Venho aqui no seu blog porque me identifico com o que escreve, acho que você nos inspira de inúmeras formas, da roupa a vida.
    sou arquiteta e também tenho essa “sindrome de pinterest” rs é muito difícil mesmo alcançar a perfeição na nossa casa, nas nossas roupas, nas viagens e nos momentos de lazer. O importante é curtir o aqui e agora e fazer o melhor que a gente pode. E tento me lembrar disso todos os dias para não me iludir com a “perfeição” das redes sociais. obrigada por trazer esse lembrete para nós também.

  18. Rose Damas comentou:

    Ana,

    Mais uma vez você mostrou que não está de brincadeira nesse mundo dos blogs. É verdadeira, escreve bem, inteligente,linda…
    Quem perdeu foi essa empresa com essa atitude pequena e preconceituosa.
    Seus textos são inspiradores. beijocas

  19. Natália comentou:

    Ana, nem tenho o que comentar. Só vim aqui deixar meus beijos e dizer que tamo muito junto!! num país tão desigual como o nosso, com a maioria dos brasileiros vivendo com até 3 salários mínimos, sabendo que a maioria dos brasileiros sequer consegue completar o ensino médio, me dá é vergonha de ver essas pessoas vivendo numa bolha inacessível. a vida NUNCA é banal. beijos

  20. Marcella comentou:

    Ana, vc me emocionou…..eu chorei 🙁 vc se lembra qdo foi na minha casa e eu te disse que nao levaria qualquer pessoa la? Pois sabia que vc entenderia….Obrigada por ser quem voce é e por escrever o que escreve, obrigada mesmo 🙂

    1. Ana Carolina respondeu Marcella

      Tó um abraço! <3

      1. Marcella respondeu Ana Carolina

        Obrigada! 🙂 Outro para vc tb!

  21. Jaqueline comentou:

    Adorei! Já deixei de seguir várias blogueiras que começaram a passar a imagem de “minha vida é perfeita e se você quiser a sua assim também tem que comprar esse produto que custa mil reais e vai durar 1 mês”. Agora só sigo blogs e instagrams de pessoas que me ajudam na missão missão de me sentir bem e digna tendo que pegar ônibus e metrô e com contas no fim do mês que não me permitam gastar um rim todo mês.

  22. Mari comentou:

    Obrigada Ana por esse texto lindo que caiu como uma luva no momento que eu to passando.
    Eu acompanho você já um tempão e nunca comento aqui (eu não sou de comentar), mas te conheci em um workshop e tive certeza de que aquela era a mesma pessoa que eu lia. Sua realidade faz o sucesso do seu trabalho!
    Obrigada pelas palavras reais, de vida real!
    Eu já te disse antes e digo de novo: se precisar de arquiteta, tamos aí! 😉

    Ps: sua calça tá louca pra te conhecer! hahahaha

    Bjsss

    1. Ana Carolina respondeu Mari

      Mari de Deus, to sem tempo. Pelo menos vou morar mais perto de vc, aí não tem desculpa! hahahaha! Eu queria muito um toque arquiteta/decoração, mas a grana ta curta 🙁 <3

  23. Bruna comentou:

    É um sentimento que está muito aflorado em mim ultimamente. No meu feed de blogs tenho ficado cada vez mais desanimada com o que se posta. Cinco viagens por mês, roupas novas a cada dia, caixas e caixas de maquiagens e cremes, casas construídas como um reality show , manhãs e tardes dedicadas a treinos e tratamentos. Sim, de realidade dura basta a nossa de todos os dias, queremos ver coisas bonitas e sonhar um pouco quando chegamos em casa. Mas ver apenas o inatingível me faz mal. Eu percebi que queria trabalhar mais e mais para ter uma ou outra coisa daquelas que via por aí – e como o esforço nunca é recompensado imediatamente, quando o sonho se realizava já existiam outros 10 em fila esperando o financiamento.
    Trabalho em um site de vendas em que pessoas parcelam produtos de 35 reais em 12 vezes. E pra que tudo isso? Por que eu ia querer um arquiteto decorando minha casa e escolhendo coisas em lojas que nada dizem sobre mim? Só porque é modernoso ou o tom de laranja combina com o sofá? Minha casa tinha 3 móveis quando mudei e hoje recebo elogios pela decoração, cheia de vinil, pequenas lembranças de viagens e acontecimentos dos últimos 7 anos. Nada custou mais do que 500 reais, nada está aqui por estar. Minha casa também não estaria no Pinterest e a loja também desistiria depois dos “testes de luz”, mas eu não troco cada pedacinho do que construí por um móvel de 4 dígitos que não diz nada sobre minha vida.
    Te acho ótima e espero que seu blog cresça sempre mais e mais. Não para ostentar bolsas Chanel, mas para lembrar mais pessoas do que a gente realmente “tem que ter” no nosso cotidiano.

  24. Manuela Melo comentou:

    Ahhhh Anoca, filha!!! Um brinde a todos que batalham todo dia para ter seu próprio teto, seja ele de aluguel ou próprio, dá no mesmo… pq a luta de matar um leão todos os dias ao sair de casa é a mesma.
    Tb sou proletariada… dou um duro danado pra ter meu canto, que é ryco de energia… pq lá tem alma, cada coisinha comprada com suor de cada dia bate um coração. AHHHH LÁ EM CASA… SÓ O QUE IMPORTA É FECHAR A PORTA TER PAZ E SER FELIZ, e isso eu sou!!!!

  25. Manuela melo comentou:

    Ahhh e queria dizer… das milhões de blogueiras que eu acompanhava praticamente sobrou vc… pq com o tempo fui deixando de me identificar com muitas…(vida real) e seus conteúdos são os únicos com os quais leio e digo… putzzzzz parece que tá falando de alma pra alma!!! obrigada por tudo.

    1. Ana Carolina respondeu Manuela melo

      Manu, obrigada! Ainda temos blogueiras famosas bem queridas e bem vida real, assim como as ~menores que seguem linhas de pensamento maravilhosas. Um viva ao espaço pra todas, inclusive para quem ama uma ostentação, haha

  26. Juliana M comentou:

    Apoiada Ana,certissima.

  27. Bia comentou:

    Maravilhosaaaaaaa! Dei uma choradinha aqui…como muitas que já comentaram, esse texto veio na hora certa pra mim. A gente se mata de trabalhar e parece que nunca vai ter dinheiro pra ter uma casa de pinterest. Eu ando odiando o meu apartamento, o piso é feio, a cozinha é minúscula, e não tem espaço pro meu namorado sentar com as pernas esticadas no cão da sala! rs Mas sabe que quando eu olho o pé do sofá ralado eu lembro do tio que carregou ele, e era uma figura, quando vejo a parede manchada, lembro do meu amigo que explodiu uma lata de cerveja no meio da sala. É saber amar o que se tem, o que se conquistou, o que não é o ideal mas já fez a gente feliz, ou nem tão feliz assim, mas tava lá, era o que tinha.
    É um prazer acompanhar a sua vida, seus questionamentos, suas reflexões. Obrigada, de coração! 🙂

  28. Ariana Melo comentou:

    Amei, Ana, como todos os textos reflexivos que você escreve!!
    Não entendo essa glamurização da profissão blogueira, com todo o respeito, são pessoas como eu, só que resolveram sentar atrás de um pc e produzir um conteúdo legal. Se eu te encontrasse na rua, ia chamar e puxar assunto! hahahah. E bora continuar a luta diária! Bjss

  29. Cinthya comentou:

    Queriam vida real só que fake, né!? Eu hein…

    Ana, é por coisas como essa que o seu blog é um dos poucos dos quais adoro ler e ainda COMENTAR. Porque acho que você merece ouvir (no caso ler, né!?) o quanto o seu blog é inspirador pra pessoas da vida real: que compram na Rua Cachambi, em Madureira, na Baixada ou no shopping Leblon, que não tem aquela casa de comercial de margarina, que tem dias que está mais pra baixo mesmo, que tem TPM, que trabalha pra ganhar o pão de cada dia…
    Por mais vida real no mundo virtual, por favor!

    Beijos!

  30. Ana, concordo com tudo que disse. Um dos motivos que me fazer ler todos os dias o HVAO é que vc expõe tudo de uma maneira muito simples e sincera.
    Eu, que te conheço de verdade, sei que você passa muita verdade no que escreve aqui. Continue assim, que tenho certeza que é algo que o seu público ama! <3
    Bjss

  31. Lenise Marques comentou:

    Ana que post maravilhoso, eu me emocionei ao lê-lo! Você faz o mundo mais feliz e nele podiam ter mais pessoas humanas e verdadeiras como você!Realmente seu discurso é valiosíssimo! Fiquei inspirada! Beijos Adoro você!

  32. AbeGomes comentou:

    Ótimo post, Ana! Parabéns pela sua mensagem!!! Beijos,

  33. Amanda comentou:

    Ana, obrigada por essas palavras hoje!
    Acho que a vida tem uma coisa tão engraçada, né? Hoje eu estava tão reflexiva sobre conquistas, sobre o preço das coisas, meu desespero e ansiedade sobre elas… E ler seu texto me fez tão bem!
    É tão sincero e bonito o modo como você nos dá lições diárias e provoca reflexões tão interessantes… sou fã! venho todo dia conferir!
    Obrigada mesmo!

  34. Norma comentou:

    Pas-sa-da com a história… Pelo visto, nesses sites, as fotos de ambientes são tão “vida real” quanto o look do dia de algumas blogueiras. Lamentável, mas isso reflete muito a mentalidade brasileira hoje. De estetização em estetização, lá vamos nós… Aparência é tudo. E, hoje, nada mais encanta que a aparência de naturalidade. Era o que eles queriam, não a naturalidade de fato.

    Ah, se vissem a minha poltrona toda “customizada” por meus gatos… 🙂

    Ana, continue a ser a blogueira real que você sempre tem sido. Nós agradecemos!

    Beijos!

  35. Paula Ribeiro comentou:

    Muito lindo td q vc disse! Me identifiquei muito com essa vida ralada, porém feliz! Só faltou um emoticon com corações no lugar dos olhos agora!!!

  36. Sabrina comentou:

    Ana, querida! Como tantas outras acompanho seu blog mas pouco comento. Este texto não teve como não comentar. Que texto profundo, tocante! Muito muito rico, mesmo que não seja de móveis grifados e/ou afins, looks e decor a la Pinterest etc. A vida é muito mais do que isso, e vc demonstra saber disso! Bom para nós que somos brindadas sempre com posts lúcidos! <3

  37. Larissa comentou:

    Oi Ana, estou esperando a revelação de fotos dos meus pimpolhos e fui as lágrimas ao lê-la. Tens toda razão, ter vida real é para os fortes! Grande abraço, Deus lhe reserva muito mais do que conquistou até aqui.

  38. Ana Beatriz comentou:

    Texto incrível, Ana! Mexeu comigo.
    Perdi meu emprego recentemente e andei meio pra baixo por conta disso. É difícil ter que reorganizar a própria vida e, ao mesmo tempo, acompanhar a “vida real” em certos pinterests, blogs, facebooks e instagrams.
    Felizmente, me dei conta que o padrão “vida real” anda muito distorcido e que não dá pra usar isso como parâmetro antes de me afundar ainda mais nessa tortura que é achar que só você está fazendo alguma coisa errada, enquanto todos se divertem.
    Seu texto veio pra fechar com chave de ouro essa minha epifania e eu lhe agradeço por isso! Somos pés-no-chão, mas somos felizes =)

  39. bruna gomes comentou:

    Então, não tenho muito o que dizer.
    Só queria te dar um abraço, de pessoa real para outra.
    bjuuuu

    1. Bruna Costa respondeu bruna gomes

      Amiga, concordo com você!
      E que bom te encontrar por aqui… hahaha.
      bjsss

      1. bruna gomes respondeu Bruna Costa

        ei, xará! 🙂

  40. Mariana comentou:

    Ana, aplaudo de pé seu texto. Sou sua fã, cada dia mais.

  41. Valéria comentou:

    Ah, Ana! A vida real é a única que a gente tem!!! Não vale a pena desperdiçar pensando no que poderia ser… Então, vamos fazer como você, eu e tanta gente real faz: viver! Com tudo de bom e de não tão bom que a vida real traz!
    Amei esse texto!
    Uma feliz vida real pra todas nós!

  42. Patrícia comentou:

    Por isso sempre, sempreeee venho te ler e te ver… sou tua fã… viva a vida real… de quem tem que comprar o que pode e como pode… quando sai de casa, compramos o que era necessário e arrecadamos nos nossos pais o que estava encostado e nos era útil; aos poucos fomos trocando alguns móveis, pintando as paredes…e somos muitoooooo felizes! Claro que adoraria ter um sofá novo daqueles de revista; as paredes cheias de quadros como vemos nos vários blogs… mas a vida real nos coloca no nosso lugar.
    Beijosss

  43. Debora Valle comentou:

    Ana, que texto sensacional. Caiu uma lagriminha aqui!
    ando tão cansada dessa vida real fake, fabricada….
    Mas fico tão feliz em saber que eu, voce, e mais um montão das suas leitoras sabem, sim, o que é vida real.
    Sabemos que as nossas vidas e as nossas casas não são fotos do Pinterest! Mas tem vida e tem paz!
    Amo vc e seu blog!
    Já te disse isso antes: seu trabalho mudou minha vida!!
    Beijão

  44. Carolina comentou:

    Parabéns, Ana! Muitos querem viver em um conto de fadas e não percebem que a vida real, com todas as suas batalhas,tem o seu valor. Muito orgulho de você por incentivar a “resistência”!

  45. Luciana Nascimento comentou:

    Nossa que delicia ler isso!!! Tenho ficado tâo triste as vezxes, por não poder ter todos os quadros e móveis que eu gostaria. Até por naõ ter guarda-roupa na minha casa nova alugada!!! Mas essa é a vida real, em tempos de crise, só podemos ir arrumando as coisas aos poucos e em suaves prestações!!!
    Viva a vida real.
    E partiu ser grata pelo que eu já tenho!!!
    Beijocas.

  46. Thais comentou:

    Arrasou!
    Pessoas como você ou como eu no Brasil São privilegiadas (mesmo que tenhamos nos esforcado).. . por que tem que se mostrar/vender tanto luxo se isso de fato chega a tão poucos…?
    Só gera frustração e alimenta a sociedade da calça de veludo com vinda de fora.
    Recomendo ver a entrevista que o Ricardo darin fala sobre não fazer o papel de Pablo Escobar no cinema.
    Bjos

  47. Gabi comentou:

    Ana, que post fantástico! Acho incrivelmente importante dar valor ao que construímos e fico muito feliz em ler tudo isso.
    Muitas felicidades sempre!

  48. Janaina Feital comentou:

    Nossa, como me identifiquei… me emocionei…
    Ana, que texto fant’astico! Vc ‘e maravilhosa!!!
    Muita luz e paz!!!

  49. rejane comentou:

    Texto lindo, Ana! Como disse o Bráulio Bessa “Repare, o pouco que Deus lhe deu não é muito, mas é seu”.

    Bjo estalado.

  50. Dalva comentou:

    E quando a primeira providência do cachorro da cliente é fazer xixi nas bolsas q seriam avaliadas na consultoria de estilo?!?!? Hahahahah ainda bem q vc é vida real e entende esses micos!!! conto pra todo mundo isso e essa história só faz com q se apaixonem ainda mais pelo safado do meu vira-lata 😛

    Texto lindo, como vc 🙂

  51. veronica comentou:

    Parabéns por continuar sendo uma pessoa de verdade neste mundinho fake!!!!bjsss

  52. Gabriela comentou:

    Eles que se explodam……com a vida perfeita do comercial de margarina

    Mais vale nossa vidinha autêntica e sem dívidas

    Você é o máximo

  53. Ana comentou:

    Adorei seu texto e o seu blog é o meu favorito é continue assim.bjos.

  54. Alexsandra comentou:

    Oi, Ana, Sou da Bahia e seu blog é um dos poucos que eu tenho o prazer de acompanhar. Com você aprendi a comprar melhor, a misturar cores, a ser autêntica custe o que custar. Acho você uma pessoa de uma inteligência…que putz… Já deixei de seguir muitos blogs de moda justamente por ser fora dos meus padrões, mas o seu blog, não, ele faz a diferença. Obrigada pelo apeendizado

  55. Wal comentou:

    “Não banalize a vida real”, texto pra tatuar na testa! Ana, deu um mega trabalho comprar o meu cantinho, mas fiquei tão feliz que fiz um open house só com banquinhos de plástico e um cooler. E foi ótimo. E inesquecível. 🙂

    Beijos e muitas alegrias na vida nova!

  56. Rafaela comentou:

    Ana,como vc é maravilhosa! Minha grande inspiração!

  57. Rebecca comentou:

    Como sempre arrasando nos looks e nos textos! #inspiração#sinceridade#gentecomoagente

  58. Naiara Giordani comentou:

    Ana, você é uma pessoa muito especial! Lindas, sábias palavras. Deixei de seguir vários blogs há tempos, por causa da sensação de frustração que os mesmos insistiam em me fazer sentir. A vida é cheia de batalhas, algumas pequenas outras maiores, e a luta diária muitas vezes não nos permitem inúmeros luxos que nos são apresentados como se fossem banalidades.
    Quero somente sentar com você em um boteco, bater um papo, comer uma coxinha e tomar uma cerveja! hahaha
    Beijos. Adoro seu blog! Ele me faz sentir bem comigo mesma, traz uma ótima energia para minha vida!

  59. Luciana Campos comentou:

    Oi Ana, como sempre, sábias palavras, ótima reflexão.
    Te mandei email e vc não me respondeu sobre a análise de cores no dia 13 em Brasília. Podemos confirmar? Bj

    1. Ana Carolina respondeu Luciana Campos

      Oi Luciana! Puxa, respondi sim, duas vezes 🙁 Vou mandar pelo hojevouassimoff@gmail.com, vamos ver se esse chega! Beijos

  60. Andréa/Bauru comentou:

    Adorei a honestidade, sinceridade e valorização pessoal !
    É por essas e outras que visito seu blog todos os dias.
    Você combina comigo !!!

  61. Patricia comentou:

    Texto simplesmente fodastico! Para nos fazer refletir e ver sobre o que muitas vezez estamos reclamando… vc está certíssima! Há pessoas que nem um teto sob suas cabecas tem… somos pessoas abençoadas, temos que agradecer! Vc é um exemplo!
    Bjaoo

  62. Crespa comentou:

    Tu mata a pau, hein diva? Texto lindo, verdadeiro, um presente pra mim hoje. Obrigada! Essa vida de ilusão que vendem por aí tem despertado tanta angústia nos outros, tanta inconformidade que haja Rivotril pra segurar tanta resignação. Tô contigo nessa luta da vida real, de pé no chão, de imperfeção, mas de alegrias reais, de abraços verdadeiros, de coxinhas saborosas e de muito colorido! Beijo grande saudoso!

  63. Laura comentou:

    Ana que texto inspirador!! Amei, continue sendo vida real por favor sempre!! Você é maravilhosa e venho diariamente ler o que escreve por me identificar demais com sua sinceridade! Beijo

  64. Ana você está corretíssima, vida “real” perdeu o sentido quando quase todos forjam um realidade para mostrar na internet. Acho ainda pior quando alguém me vê de jeans e camiseta e solta a pérola: Isso não é look de blogueira.Tem hora que bate uma preguiçinha de estar inserida nesse universo, Ana? ou será que só eu sinto isso?

  65. Rachel comentou:

    Eu tive a oportunidade de poder construir minha casa, ou melhor nossa casa, sim estou quase casada. 😀 E pudemos construí-la do jeito que queríamos, ainda não terminou justamente por isso e vai continuar assim por um bom tempo. Espaços vazios esperando aquela promoção ou aquele móvel que seja parecido com o que desejamos. Esperamos uns três anos pra ter dinheiro pra construir e, quer saber, tá sendo muito bom olhar para aquela construção e saber que foi tudo nosso suor e dias e noites de criação. Beijos Ana!!!

  66. Michelle comentou:

    Bom Ana, sempre terá alguém que irá nos avaliar por nossa roupa, carro, casa ou qualquer outro bem material e percebo que quando não ligamos e não fazemos esse tipo de avaliação, mostra que estamos amadurecendo e mais que isso, nos tornando seres melhores. Moro eu um ap de 46m e me sinto imensamente feliz pelo fato de que eu e meu marido batalhamos para comprar, diferente até mesmo de muitos familiares que foram “pegando” casas de outras pessoas, morando em uma casa enorme, falando da casa dos outros e nunca batalharam para terem a própria. Beijos.

    1. Ana Carolina respondeu Michelle

      Oi Michelle! Olha, nem acho que precisa ter casa própria, sabe? Cada um tem sua necessidade, sua vivência, tem quem prefira voar a fincar raízes…o mais importante é ser fiel aos seus sentimentos! 🙂 Beijos

  67. Bruna Veiga comentou:

    Parabéns, Ana, pelas belíssimas palavras. Obrigada por ser tão sincera e fiel a você mesma. Já aprendi muito com vc.
    Junto-me ao time que deixou de seguir outros blogs por conta de conteúdos vazios e irreais, e do excesso de apelo ao consumismo.
    Vc é maravilhosa!!

  68. Mel comentou:

    Ana, bom dia ! Hoje seu post me fez despertar de uma forma diferente(pois eu o li enquanto escovava o dente, cheia de sono, na correria para sair para mais um dia de batalha…) Olha, vc me fez sentir muito bem, mais leve, pois eu achei que fosse a única que viveu (e vivo) uma situação exatamente como a que vc descreveu. Morava em uma quitinete bem simplesinha em Bota, sempre ralei e nunca decorei o meu canto porque achava que um dia iria sair dali… Bom, o tempo passou, cresci, caí, levantei e cheguei a mesma conclusão que Arnaldo Antunes- “a nossa casa é aonde a gente está…”. A partir desse momento, olhei pra dentro e resolvi refletir isso do lado de fora. De forma simples, comecei a ver meu cantinho com mais carinho, enfeitando-a com pequenas coisinhas , que eu mesma fiz, e outras que garimpei em lugares com a minha cara… Minhas mudanças internas se refletiram no meu espaço, e mal sabia eu que esse movimento contribuiu para que eu me mudasse pouco tempo depois, quando pude realizar o sonho de ter minha casa, meu reino, um lugar ainda vazio, materialmente dizendo, mas cheio de amor. Ainda me lembro perfeitamente do primeiro Natal, sentada no chão , ao lado do meu marido , na sala , tomando um vinho e dando boas risadas. Somente eu, ele e uma árvore de Natal furrequinha, mais nada. Acho que nem se eu estivesse na super-mega-cobertura-blaster da Vieira Souto seria tão feliz como naquele dia. São os momentos que ficam. É o SER, e não o ter .Sabe, Ana, às vezes precisamos passar por situações como a que vc viveu para enxergarmos que sim, vivemos em uma sociedade escr…, que vive de aparências, mas sim, tb temos maturidade suficiente para fazer escolhas e não nos deixar levar por modismos e outros “ismos”, impulsos consumistas, modelos de conduta pasteurizados e gente babaca. Somos gente fina, elegante e sicera, que anda de metrô, de busão, come coxinha, toma chopp e ainda ri das coisas boas e simples da vida! Ser assim, estar em constante movimento é que faz valer a pena. Parabéns pelo lindo post! Continue nos inspirando!

    1. Aline (Fortaleza) respondeu Mel

      Que lindo Mel! Tô tão feliz de ler seu comentário. Tô tão feliz em ser leitora da Ana.
      Gente fina, elegante e sincera! É isso aí!

  69. Milene comentou:

    Arrasou!!!!
    Ser feliz como se é, com o que se tem, isso sim é talento!

  70. Dominique Costa comentou:

    Que puta texto Ana!
    Só quem luta todo dia sabe o que passa!Eu já sofri por não ter “a vida padrão”das blogueiras ai,mas tô me libertando,hahahaha,é muito bom pra mim seguir teu blog,por que inspiração vida real tá em falta por ai,parabéns pelo blog Ana!

    Obrigada!

  71. Aline (Fortaleza) comentou:

    Eu me identifico tanto Ana, que você me fez chorar ao ler o post.

    Chorei de emoção por ler nesse post as minhas emoções, por ler nesse post algo que eu ficava me perguntando milhões de vezes (oi?): será possível que anda todo mundo alienado desejando uma vida que simplesmente não é possível??? E quando digo que não é possível, eu estou falando do mundo real, e do meu mundo real e da grande maioria das pessoas.

    Eu não sei se são poucas as pessoas que pensam dessa forma, ou se são poucas as pessoas que conseguem verbalizar esse sentimento. Tiro por mim Ana, muitas vezes eu quis dizer algo assim (no meu mundinho, porque não sou blogueira, rs) e muitas dessas vezes eu era olhada como louca, maluca e revoltada. Eu realmente acho que quase 95% da população não vive em apartamento mega decorado, não consegue fazer aquela viagem tão sonhada (ou até consegue, mas o dinheiro tem que ser bem programado/economizado), o restaurante caro sempre fica para aquela comemoração especial e o closet dos sonhos realmente está apenas nos nossos sonhos. Mas sabe que aqui eu aprendi que aquela coxinha da esquina é tão deliciosa…economizar para a viagem esperada é fantástico (a primeira vez que fiz isso fui para o Uruguai, e lembro que sentei em um banquinho em Colônia, uma cidazinha linda de lá, e chorei feito uma criança – por estar realizando um sonho depois de tanto esforço) e o meu closet perfeito é aquele que eu tenho no armário. E depois de ler esse post querida Ana, ontem, fui para casa me sentindo mais leve, com a sensação de que tirei um elefante das minhas costas. Alguém me representou e gritou lá do outro lado que sim, essa vida cheia de atropelos que nós, pessoas da vida real, temos é cheia de seus devidos encantamentos! E ontem mesmo quando eu chegava em casa encontrei um conhecido no elevador que me falava dos filhos dele: uma estava em Praga fazendo mestrado, a outra intercâmbio nos Estados Unidos e por fim, a última filha trabalhava na Suiça….depois de ler seu post, pela primeira vez na vida, eu escutei aquilo e sorri um riso tão bobo, um riso tão feliz, e lá no fundo uma voz me dizia: “e eu, passei quase dois anos juntando dinheiro para fazer minha viagem pela Europa, gastei o dinheiro referente a compra de um carro e andava de ônibus toda descabelada de um lado para outro para conseguir realizar o meu sonho – um tour de um mês pela Europa”. Sim Ana, tudo é muito mais difícil para nós, reais, mas eu digo isso com tanto orgulho, com tanto orgulho. Obrigada minha querida, por esse post, de coração. Você não tem noção do que ele fez por mim!

    Meninas da vida real, que andam tão descabeladas quanto eu…”é nóis”!

    Então vamos ao nosso grito de vida real, e que ela seja tão divulgada quanto esses contos de fadas que andam por ai!

    Bjo, bjo, bjo!

  72. Manu comentou:

    Que lindo , Ana, é isso aí, continue assim!!! Adoro as tuas reflexões, tão inteligentes e sensatas. Parabéns!

  73. Carol comentou:

    A tênue linha entre a realidade e o entretenimento sempre é um ponto a ser lavado em conta. Da mesma forma que ler sobre realidades apos um dia cheio de trabalho, ônibus, casa e etc. pode parecer sufocante. Ser bombardeada por vidas perfeitas, casas perfeitas, cabelos perfeitos, pode ser extremamente frustrante. Lutei muito e agora consigo dormir tranquila, sabendo que a sala ta uma zona, ou que a faxina vai ficar para outro dia, que minha sobrancelha está uma taturana… E o mundo não vai acabar por conta disso. A nossa vida é muito maravilhosa para ficarmos sofrendo para ser feliz e perfeito o tempo todo. Adoro as imperfeições que tornam minha vida real. <3
    Me identifiquei com mta coisa que vc escreveu. Sinta-se abraçada.
    Por alguém que morava na Tijuca, pertinho do Shopping, largou tudo e veio morar na região dos lagos com o marido e está amando a mudança! =D

  74. Heloisa comentou:

    Aplaudindo de pé! Que texto lindo, forte, enriquecedor! Ah, Ana… Quando crescer quero ser igual você! Obrigada por nos deixar fazer parte de tudo isso! Obrigada por ser você!
    Felicidades é o que te desejo!

    Beijos!

  75. Amanda comentou:

    Ana… te admiro muito por ter conquistado esse espaço e o nosso carinho. Com suas dicas valiosas aprendi muito, sobre tecidos, sobre consumo, hoje sou mais exigente… fico feliz com sua conquista… e um pouco indignada com esses blogs que mostram uma vida que só cabe na vida dos ricos e famosos… não digo que é fútil, mas é uma vida montada, cada look, cada foto, feita para vender uma imagem e um produto … e no fim das contas pode não ser tãaaao feliz quanto se quer mostrar… a felicidade, para mim, está em outras coisas… me arrepiou seu texto. Obrigada por sua sinceridade.

  76. Fernanda comentou:

    Que texto bacana!!! Sincero, elegante e real. Me identifiquei muito, muito mesmo com o seu ponto de vista nesse assunto sobre vida real versus expectativas dos outros. E sobre o “porque ninguém valoriza o se vestir bem no dia a dia?”…. eu valorizo…. mas não sei praticar!!!! Me ajuda, Ana (rs)!!! Não consigo sair do combo jeans+camiseta+sapatilha. Ah, e amei o “rir das mazelas e brindar as conquistas”!!!!! Faço isso sempre com amigos, mas nunca tinha traduzido a atitude em uma frase. E vc fez isso. Vou usar a frase de vez em quando, tá?? Abraço. Te desejo td de bom!!!

  77. Dayane Correa comentou:

    Parabéns pelo belo texto e exemplo!!!
    Obrigada =D

  78. comentou:

    Minha amiga, queria poder te dar um forte e afetuoso abraço agora. Vc tem luz e generosamente ilumina a todos que te cercam! Cheiros!

  79. Ana, que post perfeito e maravilhoso! <3
    Pensei tanto, me identifiquei tanto, me emocionei tanto.
    Lembro do meu primeiro apartamento com meu namorado, que saímos com muita tristeza para novas aventuras e agora estamos em uma pensão em SP construindo uma vida nova e caçando (quase literalmente, né?) um lar pra trazermos nosso cachorro do RJ e sermos felizes em um cantinho nosso.

    Seja vida real sempre, por favor.

  80. bruna comentou:

    Tive o mesmo espanto dessa leitora ao notar que você tirava fotos na minha rua … que depois descobri que é a sua. No grafiti de onde eu pego ônibus rs
    Mas o mais impressionante foi te ver num sábado a noite com o marido. Vocês estavam voltando pra casa conversando. Eu e minhas amigas ficamos só olhando a cochichando de como és uma blogueira do povo e mora na Zn como nós !

  81. Bianca comentou:

    Ana, parabens pelo texto simples e chique como você é. Vida real, zona norte, metrô, fast fashion. Ganhei um livro de uma amiga que tem muito a ver com o tema: O prazer de ficar em casa, de Leticia Ferreira Braga. Se quiser te empresto, tô sempre no shopping tijuca hahaha. Bjs

  82. Paula comentou:

    Eu estava lendo esse texto na sala de espera da terapia do meu filho, depois de ter um dia mega corrido e de trabalho puxado, estava morta e acabada e quase chorei lendo!
    Sabe Ana eu te admiro demais, já escrevi aqui várias vezes o quanto você me inspira e sempre falo de vc e seus ensinamentos como se eu falasse da minha bff! kkkk
    Me identifiquei demais com tudo o que você disse, achei babaca por demais essa loja! Pra que ser assim não é?
    Ralei tanto para comprar meu ap..é MRV é? Mas é meu, moro sozinha com o meu filho e depois de tanto perrengue que passei na vida em aguentar morando com a minha mãe num péssimo relacionamento e com um relacionamento mega abusivo com o pai do meu filho….sou mto grata e feliz com meus 45m!!!!
    Faz 2 anos que estou aqui e consegui ter os itens básicos, como mesa, sofá reformado das casas bahia, máquina de lavar de segunda mão…
    As vezes quando chegava em casa e bem naquele horário batia uma luz tão linda na sala…que deixava o lilás da parede mais lindo ainda, eu tinha vontade de rir e chorar de felicidade por depois de tanto esforço ter conquistado um espaço para nós. O nosso lar!!!!
    A gente sofre tanto, rala tanto..e não podemos deixar que façam com que nossas conquistas simplesmente pareçam menores do que realmente são!
    Essa sinceridade e simplicidade é o que faz eu continuar vindo aqui todos os dias!
    Um abraço para vc!
    E venha para o interior de sp..dessa vez não vou ter vergonha de te chamar para comer coxinha!!!
    Beijos

  83. Ana comentou:

    Parabens! Maravilhoso texto, muito verdadeiro.
    Mas vi um fato muito engraçado nele..
    Sou o inverso de você. Por trabalhar com decoração sempre achei fácil ter uma casa “chic”, uma casa de maravilhosa. E apesar não ganhar bem, de ter um dinheirinho suado, acho que minha casa está a altura de qualquer revista.
    Mas já meu guarda roupa.. Que tristeza! Quando li seu texto pensei que temos habilidades trocadas você consegue indentificar peças bonitas e atemporais e eu achados da moda. Coisas que você compra baratinha e ninguém diz que foi aquela pexinxa. Peças duráveis que te acompanham por todas as mudanças de endereço.
    Bom, faz parte do aprendizado de cada um.
    Talvez você possa melhor seu estilo de decoração, deixando sua casa ainda mais com sua cara mas de um jeito que ninguém possa por defeito ( tudo bem que essas revistas são tão nojentas que nada agrada ehehhe)
    Eu com certeza preciso aprender meu gosto e necessidade na moda, e vc me ajuda muito nisso! Bjs

    1. Ana Carolina respondeu Ana

      né? nunca fui ligada em decoração, via prioridade em cursos, estudos, moda…mas nada como treinar o olhar – exatamente como sugiro às minhas clientes! haha!

  84. Keila Rogick comentou:

    MA RA VI LHO SA!!!! Me identifiquei com tudo parecia que era a minha história e é por isso que eu gosto tanto de você!!!!!!!

  85. Lua comentou:

    Ana…é por esse tipo de post que amo vc.

  86. Ani Karine comentou:

    Uhullllll, palmas pra você!!!
    Isso sim me faz ler um post inteiro, isso sim me inspira, isso sim faz eu vir aqui todos os dias!!!
    A D O R E I …Nunca mude o blog ou estilo.
    É aqui que aprendo, é aqui que repenso atitudes.
    Grande beijo Ana.

  87. Paula comentou:

    Ai, Ana!!
    Raramente comento, apesar de sempre dar uma olhada no site. O texto é muito foda!!! Disse tudo! Continue nos inspirando sempre!
    Beijão!

  88. Carla comentou:

    Fiquei curiosa para ver sua casa…que coisa, hehehe.

  89. Oi Ana,

    Sou sua leitora a algum tempo, mas não sei porque nunca comentei aqui, depois deste texto não resisti.
    Acho que vai parecer piegas repetir o que a maioria já disse mas você literalmente nos representa! Seu texto é muito corajoso, sensível e acima de tudo real. De uns tempos para cá minha vida mudou demais, passei por uma perda na familia, larguei meu emprego, voltei a morar com a minha mãe, enfim toda uma nova rotina. Além de ser leitora de vários blogs e ter o meu próprio muita vezes me peguei “seduzida” por essa ideia de vida de conto de fadas de muitas blogueiras e confesso que cheguei a me questionar e ficar bastante frustrada. Ok,a grande maioria vende sim uma vida inatingível de sonhos, mas acho que ainda existe uma parcela (ainda que bem pequena)tenha chegado ao topo pelo seu proprio merito, trabalho enfim… não cabe julgar.
    Acredito também que a internet mudou e a blogosfera também,e é muito bom saber que estamos amadurecendo e no meio desse mundo enorme ainda existam pessoas tão inspiradoras e “pé no chão” como você!

    Já era sua leitora agora ganhou ainda mais meu carinho e respeito

    Um grande beijo,
    Priscilla

  90. Rachel comentou:

    Entendi perfeitamente o que você disse porque contrui minha vida e meu trabalho do mesmo modo. Tenho muito orgulho do meu apartamento na Tijuca, mesmo quando parentes me dizem que eu deveria morar na Zona Sul. E também tenho muito orgulho do meu pequeno escritório no Centro. Foram meu trabalho e do meu marido que pagaram as muitas prestações de cada coisa que temos em casa (e ainda pagam as prestações do financiamento do apartamento). Quando decidi abrir meu próprio escritório, comecei do nada, comprando móveis baratos e ainda assim parcelando. Mas a sensação de que o esforço valeu a pena se renova cada vez que alguém diz que se sente super bem na minha casa ou no meu escritório.
    Grande beijo.

  91. Fran comentou:

    Não conhecia o seu blog.Vim parar aqui através de um link no blog Coisas de Diva.
    Esse texto me atingiu como um caminhão.Sério.Ando muito insatisfeita com a minha vida e não é de hoje.Há 4 anos estava em uma situação péssima, emocional, física, financeira.Comecei á trabalhar pra acertas as coisas e, embora hoje minha situação esteja melhor em vários aspectos, ainda está muito longe de ser “perfeita”.
    Sempre adorei moda e decoração.Sou artesã, filha de artesã, adoro cor, efeito, textura, DIY, novidade.Aí dá-lhe olhar blogs e Pinterests da vida pra buscar inspiração.Mas o que tem acontecido ultimamente é muito mais essa sensação que várias outras descreveram aqui: de que, no fim das contas, meu esforço é sempre em vão, que por mais que eu trabalhe, nunca “chego lá”.
    O mais engraçado é que eu nem sei bem aonde fica esse “lá”…
    Estou sentindo a necessidade urgente de mudar essa visão, de aceitar a minha vida do jeitinho que ela é, meu guarda roupa, minha casa, até meu reflexo no espelho.Vai ser duro, eu sei, mas sei que é o único jeito de ter paz.Porque aqui não tem evento de revista, capuccino na cafeteria badalada, closet lotado de grifes nem móvel de grife.Mas tem visita da melhor amiga, café coado na hora e bem doce como eu gosto, achados de 20 reais de fast fashion e mesinha reformada por mim mesma. 😉

  92. Ana, AMEI o texto, principalmente quando vc fala da banalização do termo vida real! Eles só querem mostrar a vida real se ela se passar em um loft estiloso ou em um apt no Jardins…

  93. Anna Raquel comentou:

    Mds que texto lacrador Ana, amo seu blog pelo conteúdo e pela inteligência de quem o escreve,graças a Deus exitem pessoas como vc que são “pés no chão”, e nos dão uma influência positiva e útil para nossas vidas, bjss!

  94. Letícia Maria comentou:

    Simplesmente inspirador seu texto.
    Realmente é disso que as pessoas precisam hoje: mais vida real, menos capa de revista.
    Temos que viver e seguir nossa vida de acordo com que o nosso íntimo diz. Aquela voz, intuição, que lá no fundo devemos ouvir.
    Não importa onde moramos, mas sim como tornamos aquele lugar o nosso lar (não como no filme hahaha).
    Tenho certeza de que sua casa nova será ideal para vocês, porque ela terá o reflexo de quem realmente são.
    Seus textos são inspiradores, assim como você.
    Há muito tempo te pedi uma dica de como ir trabalhar a pé sem precisar ir de salto, já que trabalhava (e trabalho) num ambiente mais formal. Até hoje suas dicas são extremamente valiosas.

    Um beijo enorme!

  95. Ana Claudia comentou:

    Olá, Ana!
    Arrasou!!! Você é gente de verdade.

  96. Rose B. comentou:

    Aninha que texto. Tirou as palavras das minha boca e colocou nesse texto. Tenho uma casa pequena comprada com muito esforço por mim e por meu esposo. Alguns móveis doados, outros caros e outros baratos. Porém, encho minha casa de vida, de livros, de fotos. Quero que minha casa digo quem eu sou. Dizem que é brega, que não é estilo escandinavo. Kkkk Tem prato sujo do almoço de domingo, gente deitada no chão pq o sofá é pequeno. Mas, sou felizzzzz! Parabéns Aninha! Seja feliz!

  97. Elisa comentou:

    Chorei lendo o texto! Lindo! Parabéns.

  98. Jessica comentou:

    Parabéns, você é muito inspiradora!

  99. Karina comentou:

    Ana, acabei de conhecer seu blog por este post graças ao “Coisas de Diva”. Amei o tema, amei vc! Estamos vivendo num mundo de muitas aparências, principalmente as blogueiras, o que me preocupa muito. Vejo adolescentes cada vez mais frustrados pois não podem fazer aquela viagem para a Disney, ter aquelas roupas, aquela casa. E meu Deus, leio esse tipo de comentário de meninas de 12 anos que ainda nem começaram a vida. Os valores do que é realmente importante estão muito distorcidos.
    Assim como você, larguei tudo atrás da minha felicidade em um lugar BEM menor. E posso dizer, estão sendo os melhores dias da minha vida.
    Mais uma vez parabéns pelo post e pelo blog. Continuarei te seguindo sempre é torcendo pela sua felicidade real!
    Beijos

  100. Marcia comentou:

    Ana, adorei o texto!! Para mim você é uma referência de pessoa!! Cheia de conteúdo, pés no chão, dá valor as coisas (sem valorizar demais o que não merece), honesta, autêntica… lutando para consumir conscientemente.
    E sim, passamos aqui acima de tudo pelo que você é!
    Um grande beijo e obrigada pela generosidade de compartilhar nesse blog.

  101. Virginia comentou:

    Pessoa admirável você! Parabéns por ser uma linda mulher da vida real.

  102. Aiiii Ana você é uma super inspiração para mim! Terminei meu Curso de Consultoria de Imagem ano passado e comecei um blog essa semana! Concordo muito com seus pontos de vista, principalmente em relação à conscientização do consumo! Amei esse seu texto, precisamos de mais coisas reais nos blogs e você cumpre muito bem esse papel! Espero conseguir transmitir essa mensagem com o mesmo sucesso que você! PARABÉNS!

  103. Roberta comentou:

    Oi Ana!
    Não entro sempre no seu blog, mas, as vezes, dou uma passeada por aqui,apesar do meu gosto ser bem diferente do seu,gosto muito das informações que você passa sobre os tecidos,minha mãe sempre costurou e acabei aprendendo essas coisas desde nova.
    Ler esse post foi um estímulo para comentar aqui,pela primeira vez…
    Acho ridícula essa leitura que fazem sobre a aparência,isso cria uma distorção na formação da imagem que cada pessoa tem de si mesma.
    Durante a adolescência,ia em muitos shows de reggae,e uma das vezes,fui de calça jeans e sandália anabela,na fila ouvi de uma menina “esse show tá cheio de periquitinha”, infelizmente, tive que revidar com um “cala boca,bicho-grilo”.
    Então,é necessário ter uma imagem aprovada por aquele grupo para gostar de algo ou não?
    Ao pintar o cabelo, automaticamente, mudamos nossa imagem e fechamos determinadas portas?
    Durante minha graduação,no curso de geografia,numa instituição publica,numa cidade com renda média baixa, percebia olhares críticos e piadinhas a respeito da minha aparência, achava engraçado, já que me vestia de calça jeans e tenis, enquanto via desfile de vestidos e salto alto. Mas não era só o vestuário em sim,era a aparência completa,cor de pele,textura e cor do cabelo,lugar onde eu morava,para onde já tinha viajado…
    Sim,esse preconceito existe!
    Uma vez,me perguntaram se eu gastava muito dinheiro para manter minha aparência,quando respondi que eu mesma cortava e pintava meu cabelo,fazia minha unha e minha depilação,odiava ir a salão e comprava minhas roupas em liquidação de lojas como Shop 126 e Osklen (que estavam na moda na época)e gastava menos do que na Leader e na C&A, pude perceber a cara de surpresa com minha resposta…
    Acho que temos de nos preocupar mais com NOSSA consciência e menos com a opinião dos outros…mais com NOSSA vida real e menos com a vida do face…
    Eliminei,da minha vida,todos os custos que cumprem mais o padrão comercial do que o pessoal, não troco presentes com meu noivo, não vamos a restaurantes que não achamos que valha a pena, não compramos roupas novas pelo cansaço das roupas que já temos,não vou a salão para nada,não me desfaço de roupas que cabem perfeitamente em mim (vejo muitos discursos do quanto é importante doar as roupas,enquanto,na verdade,o objetivo é se desfazer para poder comprar mais)… me preocupo em investir no que realmente me dá prazer, como viajar! Viajamos para o lugar que temos vontade, hoje podemos fazer, pelo menos, uma viagem internacional por ano. Ao contrário de muitos, não voltamos com a mala abarrotada de tenis, relógios, roupas, bolsas, perfumes…claro que compro o que acho que vale a pena, mas o principal item da minha bagagem é a certeza do quão corretas foram as minhas escolhas.
    MINHAS!
    O que não significa que estas deixarão outras pessoas felizes também…
    Ao ler seus posts com “esse é o valor limite pra mim”,”não vale tudo isso”, “prefiro juntar um pouco mais e comprar um melhor” fiquei muito feliz!
    Acho que mais blogs deviam mostrar que isso é o certo!
    Isso é saber dar valor ao seu dinheiro! O SEU valor…
    Quantas vezes falei isso e ouvi: Muquirana! Mão de vaca!
    Espero que muitas pessoas, que leram essas coisas em seu blog, pensem: também posso fazer isso!Isso não é importante pra mim! Isso não é ser muquirana! Isso é ser inteligente!
    Não há mérito em não gastar dinheiro, há mérito em gastar bem o seu dinheiro!
    Peço desculpas pela extensão do comentário…
    Tudo de bom!
    bjs
    Roberta

    OBS: a Arezzo do Shopping São Gonçalo, é uma ponta de estoque maravilhosa! kkkkkk

  104. Gabby comentou:

    Ya learn sotemhing new everyday. It’s true I guess!

  105. Andrea Portella comentou:

    Adorei você, Ana <3

  106. Yaxşı, Bu maraqlı bir fÉ™sil deyil… Miranda hÉ™miÅŸÉ™ böyük çekim sonra chased oldu; pul vÉ™ gözÉ™l avtomobil ilÉ™ kiÅŸi. O, belÉ™ bir qÉ™nimÉ™t arvad kimi bir ÅŸekilde görünür. Ä°ndi o bu qayıq mexaniki sonra olacaq? Hmmm. OK, Burada bir bucaq var É™minÉ™m.