Uma conversa sobre armário-cápsula

Ano passado iniciou-se uma movimentação na internet protagonizada pela Gabi e pela Thais em torno do conceito do armário-cápsula, que se trata basicamente de separar um número X de peças e viver por um período fazendo combinações entre elas, sem precisar recorrer às compras.

Não sou adepta de radicalismos, vocês sabem. Prefiro mostrar como comprar melhor do que privar a pessoa de compras, mostrar bons acabamentos, lojas com boas práticas e comércio justo, ler etiquetas, desapegar e avaliar o que realmente precisa. Só esse ensinamento nos torna mais seletivas, mais conscientes das nossas escolhas.

Em consultoria de estilo já aplicamos também essa ideia de cápsula. No treinamento de looks separamos 10% do que a pessoa tem para montar em média 40 produções para várias ocasiões, e na preparação das malas de viagem mostramos pra cliente que uma mala pequena e previamente pensada facilita demais a vida.

Mas ano passado, ao comentar sobre o assunto num post, eu prometi montar como seria meu cápsula colorido – vi muitos básicos por aí, por isso imaginei como seria se alguém com estilo mais criativo montasse o seu. Ficou na promessa porque eu me desdobrei em 500 para dar conta das demandas e não consegui colocar nada em prática.

E aí que eu começo essa conversa. Em 2015 eu fiz muita coisa de diversas áreas, tudo ao mesmo tempo: diagramei revistas como designer, dei palestras e workshops como consultora, fiz trabalhos como blogueira, atendi clientes como consultora, dei aula no Senac Rio e Niterói, UFA. Eu estava feliz, mas exaurida e com pouco tempo e concentração para coisas triviais do meu dia e uma delas, adivinhem vocês a ironia: escolher a roupa do dia.

armario-capsula-hojevouassimoff

Eu, que trabalho com isso, me vi enrolada com meus próprios looks. Várias vezes me senti aquém de como eu poderia ter me apresentado, uma vontade louca de simplificar, sem essa necessidade forçada de montação para me sentir em destaque. Cansada pra pensar até no básico do dia a dia, com um armário ainda cheio mesmo após várias revitalizações, cheguei a pedir ajuda a uma colega de profissão para desapegar de mais coisas.

Vejam bem, eu não me considero minimalista. Não mesmo, gosto de cores, estampas, gosto de entrar numa loja que eu me identifique. Mas entramos há um tempo numa era de consciência que não tem mais volta, em que precisamos pensar antes de gastar, de pesquisar quem tem os ideais parecidos com os nossos, adquirimos conhecimento para questionar e exigir soluções. E eu não quero mais ter muito, apenas o suficiente pra continuar sendo eu.

E tendo um blog que fala de moda, acho importante não ignorar um assunto que tem ganhado destaque, adeptas e gerado um debate tão enriquecedor nas redes.

Muita coisa eu ainda mantinha porque não estava com tempo (eu estava mesmo atolada) para separar tudo com afinco e desapegar. E 2016 chegou chegando pra mim: eu abracei com força a organização (obrigada, Thais) e tratei antes de promover uma limpeza geral (também lembram desse meu post?) na casa e no meu armário. Meu computador fez a limpeza por conta própria…o HD queimou e foi-se tudo (menos o que eu fiz backup, claro), provando que não tem essa de não ter tempo não. As coisas estragam, quebram, mancham, ou você faz agora ou já era.

E como acumulamos, minha gente. Anos e anos de faculdade que mandei pra reciclagem, livros encostados, bijuterias guardadas que eu nem sabia que ainda tinha, eletrônicos aos montes. Quantos anos acumulando com certa facilidade e quanto tempo perdido agora, me livrando de cada coisa.

Não vou há muito tempo passear com o objetivo específico de comprar – o que é um super avanço, limei da minha vida o cacoete de passear até a esquina e ter que voltar com alguma coisinha. Trabalhar com consultoria foi importante para essa mudança e também ao ver tanta roupa e armário lotado das clientes. Eu enjoei vendo tanta roupa, HAHAHA

Com essa nova e necessária postura perante o que eu acredito e minhas atuais premissas de vida, quero realmente facilitar minha rotina enxugando mais e mais o que tenho. Por isso relembrei de quando prometi a proposta de armário-cápsula numa versão mais colorida pra vocês: por que não colocar em prática agora? 🙂

Como eu já tinha feito um super desapego anteriormente, foi mais fácil, e ainda assim encontrei mais algumas coisas para dizer adeus. Tirei quase tudo de dentro e separei num quarto à parte.

A seleção foi simples, peguei as peças que eu mais amo e que mais gosto de usar, pensei em algumas para trabalhar, palestras e até um vestido caso surja uma festa. Foi fácil também porque no verão eu não consigo usar muita coisa, para ser sincera estava até me dando desespero olhar tanta roupa com 56 graus rachando lá fora, hahaha! Carioca já pratica esse conceito há tempos, gente, rs.

A ideia é mostrar aqui no blog como foi esse processo e como podemos ser mais criativas nas escolhas, por isso vou fotografar uma série para um post sobre variedade com menos peças. Não sei ainda o período, mas penso que dois meses, até para evitar novas compras.

Tenho algumas roupas para receber para fazer publieditoriais que eu já tinha fechado, mas são compromissos profissionais e que cumprem a proposta do blog de mostrar achados, falar de compras melhores, indicar marcas que gerem identificação com o que conversamos aqui.

Preciso também confidenciar: eu gosto de novidades. Gosto das minhas peças de paetês (hahaha). Não virei a militante da bandeira ecoverde, não sou a pessoa mais consciente do planeta, MAS não tem como não se impactar com algumas questões que nos deparamos ao trabalhar com isso. Não é modismo, é necessidade. Pra mim, pra você, pra costureira do Vale do Jequitinhonha. Quando penso no impacto de uma cadeia de produção, vem a percepção de que, do lado de cá, eu posso fazer, sim, a minha parte.

Outro dia encontrei um pessoal de blogs e um deles me confidenciou: “Esse negócio de ler etiqueta é caminho sem volta, né? Eu não sei se quero saber disso não”. Não o julgo. Estamos presos a um cultura do excesso que, como disse uma leitora, quando percebemos, estamos vivendo em função das coisas e não da gente mesmo. Mas a pergunta é: você não pode ser muito além do que é sentenciado a cada temporada nas vitrines?

Vamos pelo menos tentar. 🙂 Aguardem mais posts com as peças, o processo e os looks!

Compartilhe nas redes sociais
pinterest: pinterest
tumblr:
google plus:

Comente pelo Facebook

Comentários pelo blog

28 comentários

  1. Ana, eu amo quando você faz este tipo de reflexão sobre consumo/comportamento. Acho que como blogueiras temos que colocar as ideias para serem discutidas e assim encontrarmos uma solução que seja a melhor em termos de dinheiro e meio-ambiente. Dei minha opinião neste post: http://www.vazcomestilo.com.br/2015/08/comprar-ou-nao-comprar-eis-questao.html
    Vou continuar te acompanhando, com certeza! Um beijo e bom restinho de semana!

    1. Ana Carolina respondeu Camila Vaz

      Obrigada, minha querida! Vou lá ler seu post

  2. Marcella comentou:

    Faz um post sobre as pecas escolhidas antes de comecar os looks, ate para gt te ajudar e sugerir alguns? que tal²

    1. Ana Carolina respondeu Marcella

      Pode ser sim! Eu vou fotografar nesse domingo 🙂

  3. paula comentou:

    Obaaaaa!!!!! Estava ansiosa por isso. Vejo muito video no youtube, mas é raro encontrar alguém que use peças coloridas no armário capsula. Será muito divertido acompanhar o novo projeto!

  4. Paula comentou:

    Ana, estou passando por uma fase muito louca de mudanças. Primeiro que trabalhei por quase 8 anos de uniforme e não tinha roupas para trabalhar, a mudança de emprego ocorreu logo após o término do curso de consultoria de imagem!
    Estou comprando muitas peças novas e aproveitando as promoções para dar um up no armário, comprei muitas regatinhas de viscose ( não tem ar condicionado onde trabalho!!!!) e estou comprando alguns calçados tbm.
    Estou chata demais(depois da formação em consultoria ficamos chatas né?kkk) preciso de sapatilhas..e não consigo achar nada que eu goste exatamente, ou que seja diferente do que já tenho…
    Sempre fui contra o consumo, mas me vi em um momento que precisava consumir para montar um armário legal para eu trabalhar e ao msm tempo me desapegar de vestidinho de adolescente e regatinhas de malha que já não cabem mais na minha vida. Ainda mais chegando nos 30 anos! kkkk
    Estou tentando ser criativa e usar a msm peça de formas diferentes msm as 6h da manhã! kkkk
    Estou tentando usar algumas peças legais mas que estavam paradas por não caber na vida que eu tinha antes…fazer render o armário né?

    Desculpa pelo desabafo!

    Ah..esqueci de comentar no outro post sobre palestras! Por favor volte logo para o interior de sp!

    Beijos

    1. Ana Carolina respondeu Paula

      Paula, é exatamente isso, ficamos chatas! hahaha! É normal essa fase, eu também passei e ainda passo por ela. Dá a mão! vamos juntas 🙂

  5. Rose B. comentou:

    Eu fico feliz por ter ficado chata em relação a muitas coisas. Pois, antes saia e voltava cheia da roupa e sapatos. Agora, sempre olho a qualidade, o preço, quantas vezes vou usar aquela peça e quase sempre saio de mãos vazias nas compras. Atualmente, tenho trocado os gastos por compras por qualidade de vida: Fazer um programa legal uma vez por mês, viajar, fazer cursos e juntar para coisas que realmente me façam feliz e não somente por roupas que com o tempo se acabarão ou não me farão mais feliz. Parabéns pela reflexão Aninha.<3

  6. Rê R. comentou:

    Ana, aguardando ansiosamente pela sua proposta de armário-cápsula mais colorido e criativo. Confesso que todos que eu vi seguem um padrão que se tornaria monótono rapidamente para meu estilo e personalidade. Eu não tenho um armário-cápsula, mas estou organizando e repensando minhas roupas de forma que as peças sejam versáteis mesmo com cores fortes e estampas.

  7. Tati comentou:

    Adoro esses seus posts! Nossa, Ana, queria tanto que vc tivesse um canal no Youtube, ia ser ótimo te ver falar, mostrar exemplos, acho que é a sua cara. Mas entendo que seria uma tarefa (super trabalhosa a mais). Sigo alguns blogs e parece que certas pessoas ainda não se tocaram que não há mais espaço para tanta roupa, tanto lixo, exploração do trabalho blá blá blá. Ler algo consciente é um oásis no deserto. Bjo!!

    1. Ana Carolina respondeu Tati

      Tati, já está aqui no esquema! Estou vendo quem poderia me ajudar no canal, onde gravar (aqui em casa tem pouco espaço) e já já ele começa a existir!

  8. Denise comentou:

    Ana, este vídeo é fantástico. Vou repassá-lo e também procurar lembrar dele toda vez antes de comprar alguma coisinha como forma de agrado. Realmente a gente (sem perceber) está num processo de autodestruição.
    Só fico me perguntando: com tanta informação, com tanta coisa desagradável acontecendo no planeta, será que as adoradoras das Kardashians, compactuam com sua alienação e superficialidade ? Afinal, nossos ídolos espelham nossas atitudes na vida.
    Ou seja, ainda existem dois pólos na Terra: a futilidade em excesso e a conscientização da compra.
    bjs

    1. Ana Carolina respondeu Denise

      Aos poucos todo mundo vai se conscientizar, crise e outros fatores estão aí e, fazendo nossa parte, mais grupos iremos atingir! 🙂

  9. Shamya comentou:

    Oi Aninha!! Ontem estava assistindo ao programa da Ingrid Guimarães (GNT) e ela estava falando sobre esse vídeo e entrevistando uma das realizadoras dele, que é brasileira. Achei incrível e fiquei “doida” pra ver. Muito massa!! Não acho que essa nova consciência seja modismo, mas assim como vc, tb não fico à mercê dos radicalismos. A gente faz aquilo que dá, que está ao nosso alcance. Acho que já ajuda demais, não é? Bjusss

    1. Ana Carolina respondeu Shamya

      Sim! Cada um fazendo sua parte e melhorando, é um processo! 🙂

  10. Mariana comentou:

    Ana, AMEI seu textão! De tanto ler seu blog, acabei ficando “chata” como você para escolher roupas e comprar o que realmente preciso. Então me dei conta de que meu estilo pessoal é meio vintage e atemporal, e qual foi a minha surpresa em não encontrar nada disso nas lojas por aí? Minha solução foi aprender a costurar, e agora tenho um armário todo de peças feitas por mim, sob medida (de gosto e de corpo!). Nem preciso dizer que estou ainda mais chata pra comprar roupa, né? Pra que pagar caro em algo que posso fazer em 3h?
    Obrigada pela reflexão, e mal posso esperar para conhecer seu armário cápsula! ;*
    PS: faz um canal no YouTube, por favor!!! Te adoro!!!

    1. Ana Carolina respondeu Mariana

      Que máximo, Mari! Que delícia seu armário! Sim, o canal no youtube está nos planos, em breve, em breve! 🙂

  11. bruna gomes comentou:

    “Esse negócio de ler etiqueta é caminho sem volta, né?”
    Isso resume tudo.
    Não tem volta mesmo. Mas eu não quero voltar! rs
    Amei o post e ansiosa pelos próximos!
    bjuu

  12. Janaina Feital comentou:

    Ana, adorei saber sobre o YouTube… ansiosa. Vou seguir, com certeza!
    Bjs!!!
    P.S. Excelente texto!

  13. Gisele Moura comentou:

    Gente sobre ler etiquetas… Vi no site de vendas online da CeA que tem a opção de escolher a roupa pelo tecido! 🙂

    1. Ana Carolina respondeu Gisele Moura

      que máximo! 😀

  14. MARLA comentou:

    Oi, Ana.

    post incrível, como sempre. Aguardo as próximas etapas. Ontem mesmo vi uma palestra no YouTube com o Paulo Borges e outros convidados, promovida pelo IED São Paulo e um dos pontos em que ele mais se deteve foi esse stress do consumo, esse comportamento frenético que não cabe mais no mundo de hoje. Acho que essas propostas estão se alinhando mesmo nesse inicio de século e a gente pode, na nossa vida, propor esses novos comportamentos. Tô louca pra arrumar meus armários tb, valeu a inspiração.
    beijos.
    MARLA.

  15. Mariana comentou:

    Ana, quero muito ver esses próximos posts!!! Armário-cápsula com emoção kkkkkkk não poderia esperar algo diferente de uma pessoa tão autêntica como você, isso nos inspira a adaptar as ideias ao nosso jeito e realidade.

    Quero compartilhar aqui com você, Ana, uma frase que vi nesse link:

    http://www.escolhasuavida.com.br/tag/pecas-de-roupa

    “Sobre me vestir com – muito – menos peças de roupa e sapatos, acho super a ver essa tradução livre minha do Be More With Less:

    ‘Ninguém que realmente goste de você vai se lembrar de que sapato você estava usando na reunião do mês passado ou no casamento da sua prima. Se você tentar se manter atualizado com as últimas tendências e se comparar com anúncios das revistas e manequins nos shoppings, você vai ficar desconfortável, falido e frustrado. Em vez disso, se vista com menos itens que te permitam ser criativo, nobre e feliz. Sapatos que apertam seus pés e jeans que cortam a circulação das suas coxas não são agradáveis. Se vista para aproveitar o seu dia, não para que os outros possam aproveitar você. Você vai se lembrar do momento e eles vão se lembrar que foi ótimo passar tempo com você, e não de como você estava vestido.’”

    1. Ana Carolina respondeu Mariana

      Que parágrafo maravilhoso, Mari! Obrigada por compartilhar aqui <3 Aliás, ontem estive com amigos e nem lembro da roupa deles <3

  16. Adriana (Flórida) comentou:

    Muito legal, Ana! Acho que o que mais me cativa nessa ideia é o de não se deixar hipnotizar em novas coleções de vitrines bem montadas e fixar o olhar no que já temos conosco.
    Eu amo esse exercício e essa semana me propus juntamente com uma amiga, a postar no Instagram 5 looks com apenas 5 peças! Usaremos acessórios livremente, mas não podemos usar outra peça além das cinco que já separamos! Quem quiser ver, meu perfil é o @adri.reg! Não sou blogueira, apenas amo compartilhar ideias!
    Beijos Aninha, tava com saudade em te escrever um recadinho!

    1. Ana Carolina respondeu Adriana (Flórida)

      Tava com saudade de vc também, vou lá conferir! 🙂

  17. Karyne comentou:

    Post incrível!
    Eu li muito sobre o armário cápsula quando a Gabi começou a falar no blog dela. Não fiz uma capsula, mas foi bom demais ler e aprender mais. Meu armário está muiiito mais enxuto e não compro mais coisas que não tenham realmente a minha cara.
    Teu post foi muito esclarecedor e inspirador! Animada para ver as peças! ♥

    Blog do Sofá
    do Sofá

  18. Oi, Ana
    Acredito que períodos sem compras são enriquecedores. Exercitar o olhar para as milhares de combinações que já possuímos (e que ignoramos por estarmos sempre voltadas pro novo) é uma necessidade do mundo atual. Fiz uma limpeza seguindo as dicas da Marie Kondo no meio do ano passado e dei metade do meu armário. Adivinha? Já enchi tudo novamente. Com isso, resolvi passar seis meses sem comprar roupas nem acessórios. Contei os detalhes do desafio no meu blog:

    http://www.trintaepoucos.com/#!6-meses-sem-compras/cmbz/56a008710cf2009838b3aa3d

    Beijos,

    Karla