Novas coleções assinadas e sobre as parcerias entre marcas e varejo

A coleção internacional da Issa London para C&A chega às lojas dia 11 de julho e já liberaram a lista de lojas que receberão as peças.

Subi em um álbum do facebook todas as peças da coleção, sem preços porque eles não divulgam, para vocês opinarem. Tem muuuuuuito, mas muito vestido, a maioria mais comportadinho, com comprimentos mídi, na altura dos joelhos, além de longos e com predominância de estampas. Nada me emocionou, só uma calça, mas no dia passarei na loja para ver o que sobrou, rs, e dar a minha opinião de sempre. 🙂

issa-vestidos

Enquanto isso, as meninas que leem o blog me avisaram há dias, mas eu esqueci completamente de falar aqui (memória de peixinho dourado, prazer): a rede já fechou com Adriana Barra para setembro. A Vogue já divulgou até um micro detalhe de um dos tecidos:

adribarra

Crédito foto: Vogue.

A estilista é famosa pelos seus vestidos longos estampados principalmente com motivos tropicalistas. Achei bem de acordo com o mês da chegada da primavera, mas como já estou escolada, não estou esperando super novidades. Sempre defendo que acho importante essa abertura para as parcerias com marcas e estilistas, assim como pondero que devemos ser criteriosos mesmo quando vendem pra gente que é a oportunidade de comprarmos algo daquela marca. A defesa é de que são itens com o DNA do estilista que estão disponíveis a preços mais acessíveis em relação à grife, mas na prática vimos algumas vezes que não é bem assim.

Aproveitando o assunto, li recentemente uma matéria no IG Economia sobre as parcerias entre estilistas e varejistas aqui no Brasil, que seguem a tendência que já existe no exterior de popularizar o luxo, onde alguns admitem que, no início, tinham receio de associar a imagem e como adequar o padrão de qualidade ao varejo. Hoje em dia esse medo não só foi por terra, como o fazem e até mais pela divulgação que pela margem de lucro em si.

Separei alguns trechos da matéria para lermos aqui:

“Para Cynthia Hayashi, que fez parceria com as lojas Marisa, outro desafio está no próprio design das peças. “O maior desafio na parte de criação é manter-se estritamente comercial, mas sem mudar o seu perfil”, afirma. “Você tem de diluir a informação de moda na peça. Só dar um perfume mesmo”, concorda Sommer sobre sua experiência com o Extra.”

“A estilista Cris Barros conta que para sua coleção feita em parceria com a Riachuelo sair da maneira como ela queria, fez questão de participar de todas as etapas do processo de produção das peças. “Damos a mesma importância à qualidade e ao caimento que existe na marca Cris Barros. Para ter uma ideia de como funciona, aconteceram aproximadamente sete provas de roupa para aprovar um short”, revela Cris , que além da Riachuelo, fez parceria com a marca de calçados Grendha.”

crisbarros-riachuelo2

Coleção Cris Barros para Riachuelo, lançada em 2011

“Para Silvio Passarelli, diretor do programa de Gestão do Luxo da FAAP (Fundação Armando Álvares Penteado), outra vantagem para o estilista que firma parcerias é a criação de uma cartela de clientes futuros. “Mesmo que o material [das peças] não seja o ideal, você está criando consumidores futuros. Se a pessoa não tem renda, ela não compra marcas mais qualificadas, mas vai estar preparada para tal assim que tiver condições”, aponta ele, referindo-se ao aumento da renda do brasileiro.”

Esse último parágrafo eu destaco como um novo pensamento de consumo, até porque eu mostro na prática aqui no blog. Quantas vezes a gente pondera aqui sobre pensar mais na hora das compras e não sair pegando tudo tudo porque tá baratinho ou tem uma etiqueta com o ~perfume~ do estilista? A gente aprende aqui que as marcas fazem queima de estoque, têm lojas OFF, existem sites que vendem coleções passadas de marcas e estilistas a bons preços, as próprias lojas virtuais já têm em sua maioria uma parte só para remarcações…não existe mais só essa visão de “ah, não tenho dinheiro, só posso comprar em loja de departamento” ou “ah, eu tenho dinheiro vou passar longe de lojas de departamento”. Essas coleções vieram para mostrar possibilidades para os dois lados!

Gente! Tem peça em liqui de marcas que muitas vezes sai bem mais em conta. Só precisamos avaliar a qualidade (porque também aprendemos que nem tudo que é grifado é sinônimo de qualidade) e se está de acordo com nosso estilo e guarda-roupa. Se só temos poucas opções na nossa cidade, ou se a grana está curta, saber tirar o melhor proveito das poucas lojas e das limitações. Ou se queremos 20 peças entupindo o armário ao invés de poucas e boas. Tudo isso a gente pode e deve parar pra pensar. 🙂

Compartilhe nas redes sociais
pinterest: pinterest
tumblr:
google plus:

Comente pelo Facebook

Comentários pelo blog

20 comentários

  1. Ione comentou:

    Ana, eu não poderia concordar mais! Em janeiro comprei uma calça linda de alfaiataria na Mixed Off por R$159, perfeita e com caimento impecável, enquanto a similar da Mixed para C&A custava R$129 (igual a uma verde que você tem). Não tem comparação os tecidos das duas. Eu tô bem com o pé atrás com essas parcerias, não me enganam mais tão fácil!

  2. Bia Barboza comentou:

    Eu tb não me empolguei com a próxima coleção da C&A, se achar, comprarei apenas uma camiseta que vi na divulgação. As suas considerações são ótimas, temos que avaliar todas essas questões antes de gastar o nosso suado dinheirinho.

  3. Carol Correia comentou:

    Eu me empolguei quando você falou dos vestidos, já que estou atrás de uns vestidos para trabalhar, mas me decepcionei sério. Gostei de algumas camisas, mas vamos ver os tecidos. Se for pelo menos igual ao da Andrea Marques ou Maria Filó, acredito que as básicas valham a pena.

    Beijo, querida!

  4. Marlise Gregorio comentou:

    Contei pelo menos 18 peças que eu compraria Ana, pelo menos assim, olhando, não sei se provando, caimento e tecido.. mas infelizmente aqui em Florianópolis, nenhum dos 5 shopings (todos tem C&A)irá receber a coleção (que mancada da área de marketing). Se eu quiser um vestidinho desses vou ter que ir até Balneário Camboriú, a uma hora de viagem daqui.. será que vale o esforço? 🙁

    1. Cinthia respondeu Marlise Gregorio

      Iguatemi e Shopping Beiramar não tem C&A.

  5. Lar comentou:

    Tá melhor Ana???

    Estava pensando com meus botões quando vi as peças da Issa para C&A: será mesmo que eu preciso de mais roupa??? Muita coisa me agradou mas só quero gostar mesmo quando souber o tecido e o caimento.

    Todo mundo já bateu na tecla várias vezes e eu repito: cansei dessas parcerias da C&A e etc. Claro, tem uma coisinha ou outra que vale a pena, mas isso acontece sempre nessas lojas, independentemente de coleção especial ou não. Cansei simplesmente porque meu cérebro não consegue mais processar tanta roupa.

    Como você mesma disse, vale mais a pena comprar algo de qualidade na liquidação do que 20 peças ~grifadas~ para a C&A nessas coleções. E sério, ninguém precisa de tanto para viver.

    1. Ana Carolina respondeu Lar

      To melhrando aos poucos, Larissa! Obrigada por perguntar. Eu estou junto com você, não dá pra comprar por comprar…beijoca

  6. Ana, tudo bem?

    Como você, eu pretendo visitar o lançamento da coleção por aqui, mas, mesmo apaixonada por vestidos não fiquei muito inspirada… Talvez eu queira experimentar esse sem manga, com drapeado, em estampa diagonal.

    Ótima semana!

  7. Manuela Melo comentou:

    Eu sempre fui nessa vibe: investi no que vale a pena. Comprar na remarcacao (adoro). Esse finde mesmo, fui dah um role nas Fast fashion… tinha uma parca militar que tava namorando a tempos na Riachuelo, so nao queria dah o valor que eles pediam (R$ 119,00), esse finde confisquei ela por 79,00 preco justo e nao acho que seria preco de liquidacao. Confisquei tb uma camisa jeans (tava super afim, mas todas que gostava custavam 99,00; 120,00) por 79,00!!!! Sempre gostei de investi em calça jeans… dai quando encontro alguma de grife em liqui… caio de pau!!! 🙂

  8. Como geralmente estas parcerias não vêm para Duque de Caxias, não adianta nem ficar tentada kkkk mas eu curto as peças da Adriana Barra, então corro o risco de “viajar” para outro município… kkkkkkkkkk

    bjsssss

  9. Gisele comentou:

    Oi Ana!
    Estamos junto nessa, tem que valer a pena pela peça em sí e não pelo hype. Ontem comprei dois vestidos da Folic que deixam qualquer um desses no chinelo, e por R$ 350 (os dois! R$150 e R$200). Maravilhosos para trabalhar.
    Porém, dizer que sou imune ao apelo de ir a loja e procurar as peças, é muita evolução pra mim, rs. Trabalho em escritório, então saia lápis e vestido comportado me saltam os olhos, não tem jeito. São peças muito caras!!!
    Agora essas blusinhas… Por favor, né? Só sendo de seda e algodão (e não é).

    Melhoras pra vc, honey! Bju

  10. Viviane Moreira comentou:

    Ai gente eu não consigo acompanhar mais tanta parceria e pelo que eu já comprei posso dizer que as vezes nem vale tanto a pena! Digo isso pois eu comprei um blazer preto na parceria da Andrea Marques (é esse o nome dela? nem sei… 😛 ) e uso muito, mas percebi que a qualidade do tecido não é lá essas coisa… amassa muito e agora tem soltado uns fiapinhos brancos pelas mangas… cade a qualidade? Enfim…. não tô empolgada e nem com grana… 🙁
    Bjss Aninha espero que esteja bem da sua gripe!
    Vi

  11. Denise Dal comentou:

    Sou muito fã do trabalho da Adriana Barra, então espero que tenha peças de boa qualidade e com estampados lindos.
    E tenho que admitir que sempre dou uma passadinha na C&A, embora tenha comprado muito pouco das últimas coleções. Bom, peguei algumas peças liquidadas da Isabela Giobbi que nem tinha visto na loja no lançamento e agora surgiram (como pode ?). Gostei muito delas.

    bjs

  12. Ana, não sei se você falou por aqui, mas não lembro de ter ligo. A C&A vai abrir mais cedo ou até dias antes para pessoas que se inscreverem no site deles, comprarem as peças a Issa London antes de todos.
    Eu estou de olhos nos vestidos midi, pois sou bem alta e ta impossível conseguir roupa para trabalhar

    1. Ana Carolina respondeu Alice Marques

      Sim, é a pré-venda! Eles sempre fazem!

  13. Ana, não sei se você falou por aqui, mas não lembro de ter ligo. A C&A vai abrir mais cedo ou até dias antes para pessoas que se inscreverem no site deles, comprarem as peças a Issa London antes de todos.
    Eu estou de olhos nos vestidos midi, pois sou bem alta e ta impossível conseguir roupa para trabalhar

  14. Jaqueline comentou:

    Bem acho que essas últimas coleções foram bastante repetitivas e em muitas nem o perfume do estilista passou perto. Vi tantas peças idênticas as assinadas dentro da própria C&A e com qualidade superior e preços menores. Então temos que ficar sempre espertos.
    Mas gostei de saber que a Adriana Barra vai entrar nesse grupo de parcerias. Acho o trabalho dela incrível e se ela deixar uma perfuminho na coleção penso que já teremos coisas bacarás a vista. Essa é daquelas que eu, pelo menos, só fico admirando, pois, os preços da marca são suuuuuper elevados, um vestido longo da marca é meu salário…rsrsrsr
    Quem sabe possa conseguir uma pechincha na fest fashion .

    bju

  15. Cristina comentou:

    Oi, Ana, amo suas dicas!
    Você disse neste post que algumas “marcas fazem queima de estoque, têm lojas OFF”, que “existem sites que vendem coleções passadas de marcas e estilistas a bons preços” e que “as próprias lojas virtuais já têm em sua maioria uma parte só para remarcações”.
    Você poderia me repassar alguns desses endereços virtuais para compra online?
    Beijos e muito sucesso pra você!!!
    😉