24 abr 2015

Aproveitei o calor dessa sexta-feira para pensar num figurino estilo Matilda adaptado para os trópicos: como ela faria pra ir trabalhar com aquele “uniforme” no verão carioca de 50 graus? Hehehehe, a moça desmaiaria só de pensar em colocar aquelas roupas, rs! Fato que ela daria um jeito de adaptar a versão verão da camisa, calça e blazer, ou seja, ela teria que pensar bem além da sua solução simplista!

Boazinha que sou (e gata escaldada há 36 verões cariocas), vou ajudar Matilda nessa tarefa: blusa sem manga 100% viscose das boas (que não esquenta no calor!), saia lápis de algodão (estamos falando de looks de trabalho, lembram?) para manter o comprimento de acordo com o ambiente profissional e para o ar condicionado bombante da empresa/agência, um casaquinho estilo cardigan bem levinho, pois ninguém quer ter um choque térmico aqui!

Mantive a mesma ideia inicial, mas de acordo com um dia de temperaturas elevadas!

desafio-matilda-3-6

desafio-matilda-3-5

desafio-matilda-3-4

cardigan preto, blusa de viscose sem mangas offwhite, saia lápis preta, scarpin de oncinha com taxas, bolsa saco marrom claro, colar pendurado com pingente dourado e preto e branco

desafio-matilda-3-2

desafio-matilda-3-1

Blusa Coven – 49,00
Saia Zara – 99,00
Scarpin Santa Lolla para C&A – 39,90
Cardigan Renner antigo demais
Bolsa Adô – 270,00 em 3X
Colar Lita Raies para Ana Soares à venda aqui na liqui!

fotos: mãe

O que eu percebi nesse terceiro dia em preto e branco:

– De novo não me aguentei e tasquei um sapato colorido/estampado. É a clássica combinação com oncinha, mas mesmo assim tive que dar um toque mais “Ana” a tanto minimalismo, rs! Conversei sobre essa história com minha amiga consultora de estilo Érica Minchin, que também não concorda com esse estilo da Matilda e fez um post incrível e super detalhado sobre o extremismo do assunto, vê lá!

– A blusa desencaretou o que eu achava que poderia ficar muito certinho pros meus moldes, acabei curtindo bastante essa produção. =)

– Estou amando perceber que tenho boas bases no armário!

– Estava relendo minhas anotações da aula de consultoria e lembrei de um tópico que consideramos para a análise cromática e coordenação de looks, o contraste. Por exemplo, minha pele é clarinha e cabelo e sobrancelha são escuros, o que resulta num alto contraste entre eles – por isso seguro bem combinações muito contrastantes, como preto e branco. Se eu fosse como a Matilda, pele mais clara e cabelos e sobrancelha clarinhos também, meu contraste seria baixo e aí a gente repete esse contraste nos looks, nesse caso também baixo entre os tons, como por exemplo blusa azul clara e blazer marfim. O mesmo vale para peles negras, basta observar qual o contraste entre pele, sobrancelha, sorriso (!), cabelo!

Isso ajuda a manter uma unidade com a sua aparência, evitando aquela impressão da roupa chegar antes de você em algum lugar! =D

O que vocês acharam da minha versão verão escritório? hahaha! Ainda tenho algumas outras ideias na manga, simbora!

Acompanhe o dia 1 e dia 2 do #desafiomatilda e leia esse post pra entender a história.

  • 13 Amaram
24 abr 2015

Você já parou pra pensar quem fez a sua roupa? Já pensou se aquela sua roupa favorita vem de uma cadeia de produção honesta, em todas as suas etapas? Se ela te faz sorrir ao vesti-la, pode ter feito alguém chorar ao costurá-la nas piores condições possíveis? Você valoriza o trabalho de quem a fez? Como podemos mexer nesse cenário, como podemos atuar sendo agentes da mudança?

71 países irão divulgar o Fashion Revolution Day, movimento criado pela britânica Carry Somers e a italiana Orsola de Castro com o objetivo de sensibilizar a sociedade e os agentes da indústria textil quanto ao verdadeiro custo de seus processos. A data do Fashion Revolution é no aniversário do desabamento do edifício Rana Plaza, em 24 de abril de 2013, que causou a morte de milhares de trabalhadores têxteis. Nele, funcionavam diversas fábricas de roupas que produziam em grande escala para reconhecidas marcas globais. As ativistas querem conscientizar a todos do grande impacto ambiental e social, desde a extração da matéria prima até o consumo.

fashion-revolution-day

A ideia da ação é a participação online além dos eventos que acontecerão em várias cidades (veja aqui os eventos no Brasil), onde cada participante posta uma foto de si mesmo vestindo do avesso uma de suas roupas favoritas e mostrando a etiqueta com a seguinte frase: Oi, eu sou a (nome) e quero saber quem fez essa (peça de roupa). Ou apenas questionando: Quem fez minhas roupas? e até agradecendo: Agradeço à quem costurou essa minha roupa, com as hashtags #fashrev, #whomademyclothes #quemfezminhasroupas, além das hashtags relativas à marca que está sendo questionada.

quem-fez-as-minhas-roupas

A foto que vou postar nas redes sociais, hehehe:

quem-fez-as-minhas-roupas-hojevouassimoff

Por que não levarmos essas perguntas até o depto de marketing e donos das marcas? Por que não cobrar uma transparência da sua cadeia de produção? Antes de passar o cartão, questionar: “Vem cá, onde vocês fazem as roupas? Terceirizam? Usam mão de obra local? Vem da China? Ou de uma casa fundo de quintal no subúrbio de São Paulo?”. Se mantivermos a ideia de pressionarmos ou indagarmos as marcas sobre a origem do que consumimos, mostraremos a relevância dessa informação para nós consumidoras.

“Seja curioso. Informe-se. Faça algo.”

  • 9 Amaram
22 abr 2015

Na semana passada comecei o Desafio Matilda (#desafiomatilda) em que tento me vestir sob a ótica da americana que está há três anos usando o mesmo estilo de roupa (post aqui): camisa branca, calça preta, blazer preto e um lacinho no colarinho. Eu contei nesse post que não concordo com a postura dela, pois podemos sim ser práticas com um armário que atenda às nossas necessidades e a partir do que temos variarmos nossas produções a partir dos nossos próprios padrões e estilo. E de identificá-los e quebrá-los com consciência e destreza.

Mas fato é que achei curioso, a notícia mexeu comigo e quis me propor um desafio: experimentar como eu, pessoa arquitetônica e decorativa no vestir, um pavão colorido com paetês, se viraria usando o mesmo estilo de roupa por uma semana. Já tivemos um look reprovado (depois eu mostro!) mas o de hoje me agradou mais:

desafio-matilda-2-1

calça alfaiataria preta curta com pregas, blusa neoprene branca com mangas estruturadas, casaqueto estruturado tipo neoprene, scarpin preto com biqueira amarelo neon, bolsa saco preta grande e brilhosa de couro

desafio-matilda-2-4

desafio-matilda-2-3 desafio-matilda-2-2

desafio-matilda-2-6

desafio-matilda-2-7

Blusa Antes de Paris – 140,00
Calça Francisco Costa para C&A – 149,90
Casaqueto maria bonita extra que ganhei da marca
Bolsa Mr Cat emprestada da mãe
Anel Sobral – 60,00
Scarpin Sonho dos Pés – 59,00
Brincos Lita Raies para Ana Soares à venda aqui!
Batom líquido mate Quem disse, Berenice? – 30,00 (meu novo amor!)

Posso dizer que tem sido fácil e difícil. Fácil porque limitei meu armário a um tipo de combinação: preto e branco, preto embaixo e branco em cima com terceira peça preta e poucos acessórios. Então meu universo de possibilidades se resume a isso agora e eu tenho uma boa quantidade para render alguns looks diferentes entre si. Para algumas pessoas isso sim seria um estorvo, mas eu tenho boas bases e para quem tem muita opção normalmente, ter que escolher só entre uma ou outra facilitou um pouco, sim.

O que está pegando pro difícil é que mesmo mantendo meu estilo nos looks – esse de hoje tem alfaiataria moderna com a calça curta, blusa estruturada em neoprene e casaqueto também estruturado, além da diversão por conta do scarpin de biqueira neon – eu não tenho amado de paixão os looks. Assim, na hora eu gosto, mas vendo as fotos eu sinto falta de cor, sinto falta de acessórios (cadê um colar alongador nesse look de hoje?!), me sinto um pouco fora de quem eu sou na verdade.

Eu gostei tanto da produção de hoje quanto da de quinta-feira porque imprimi meu estilo e irreverência nelas, definitivamente me sinto elegante de preto – aliás, mais uma discórdia desse estilo da Matilda, não é todo mundo que fica bem de preto, não! (pausa para os gritos de pânico, rs) Ao contrário do que todo mundo fala, de que é uma cor básica, que vai com tudo, que todo mundo deveria ter um vestido preto no armário, na análise cromática voltada pro estilo pessoal são pouquíssimas as cartelas que tem preto, ou seja, a cor desfavorece muita gente! E, sim, normalmente as clientes tomam um baque e se revoltam, hahaha, mas a gente ensina a burlar a cartela e a usar as cores ao seu favor ;)

Voltando, eu sou das poucas cartelas que se beneficiam vestindo preto (sou inverno puro!) e por isso me sinto bem, mas minha personalidade não aguenta tanta restrição. Dá para notar que tentei fugir pelo menos com um detalhe no sapato, hehe!

Ainda tenho alguns dias pela frente (esqueci dos feriados, quinta é feriado no Rio!), mas vocês verão outras ideias pro desafio em breve! Alguém quer sugerir alguma coisa? E quem aderir ao desafio posta nas redes sociais com a #desafiomatilda ;)

  • 15 Amaram
22 abr 2015

Post pra falar de duas coisas muito legais para promovermos encontros e mais proximidade além da tela do blog:

1) Desde ano passado eu prometi um encontrinho com a galera carioca, mas foi um ano tão conturbado e triste que não consegui reunir as leitoras no meu aniversário (!!!!), só em SP. Então pensei se vocês ainda gostariam desse formato encontro informal, bate papo e comidinha de boteco (um pretexto pro #blogueiradeboteco!), o que vocês acham? Vamos, mesmo, mesmo? Pensei num encontro happy hour dia de semana, vocês sugerem no Centro ou em terras tijucanas na semana que vem? =)

2) Ontem testei pela primeira vez o app Periscope e estou APAIXONADA! Ele é um aplicativo de transmissão ao vivo de vídeos integrado ao twitter, em que todo mundo interage na hora comentando, escrevendo sugestões, trocando ideias com outras pessoas, olha que demais! Estou pensando em comentar vários posts do blog, trocar ideias no dia das impressões das coleções assinadas e já tirar dúvidas, mostrar algumas dicas de consultoria de estilo, pensarmos juntas alguns temas pra semana e, ó, o céu é o limite!

hojevouassimoff-periscope

Eu tenho muita preguiça de formato YouTube apesar de saber que é o que mais está em alta, mas acho que fica meio forçado quando é gravado, não me sinto 100% autêntica atrás do botão REC. Fora editar, ver foco, subir, enfim. Nesse formatinho ao vivo-todo-mundo-junto-agora eu me senti como sou quando estou com meus amigos na mesa de bar: espontânea, conversa fluindo e percebendo pontos de vista diferentes!

Ó, hoje o pessoal sugeriu um encontro para eu degustar algumas coxinhas do #tourdacoxinha HAHAHAHA, comprei algumas para os posts e vamos também pensar em agendas para os próximos, como sobre análise de cores voltada para o estilo pessoal, por ex, que foi outro tema proposto.

É só baixar o app pro celular e me achar la: hojevouassimoff ou acessar meu twitter @hojevouassimoff às 21h30, que liberam o link da transmissão. Por favor, não me deixem falando sozinha, gente, hahahahahaha!

  • 12 Amaram
Página 1 de 76112345